AMOR EXCLUSIVO: um romance emocionante

ELES JURARAM FICAR UNIDOS ATÉ QUE A MORTE OS SEPARASSE… MAS NEM A MORTE CONSEGUIU SEPARÁ-LOS
Geração lança no Brasil uma das grandes sensações da literatura alemã contemporânea, a história comovente e poderosa de duas pessoas extraordinárias que morreram da mesma forma que viveram: inseparáveis

Este livro é incomum já a partir das primeiras linhas:

No dia 13 de outubro de 1991, os meus avós cometeram suicídio. Era um domingo. Na verdade, esse não é o melhor dia da semana para se cometer suicídios. Aos domingos os parentes ligam, os conhecidos querem dar uma passada para ir juntos passear com os cachorros. Uma segunda-feira, por exemplo, me pareceria muito mais adequada. Pois bem, fazer o quê.

Vera tem 71 anos e goza de boa saúde; István tem 82 e sofre de uma doença terminal. Húngaros residentes na Dinamarca, estão casados há quase meio século e são incrivelmente bonitos e elegantes. Ambos suportaram os horrores do Holocausto e do regime comunista, mas não podem suportar a ideia de que a morte dele vai separá-los. Assim, naquele domingo de outubro de 1991, os dois cometem suicídio: morrem juntos na sua cama, de mãos dadas. E assim nasce um tabu de silêncio na chocada família que ficou para trás.

Dezesseis anos depois, a autora deste livro, neta do exótico casal, ignora a regra familiar de que “não falamos sobre esse assunto” e mergulha no passado proibido dos seus avós, aos quais mal chegou a conhecer, reconstruindo paulatinamente o último dia de vida deles. Enquanto procura solucionar o mistério em torno de suas trajetórias acidentadas, vai descobrindo como as experiências vividas por eles moldaram a sua família e fizeram da autora, Johanna Adorján, o que ela é hoje. Ao escrever sobre os avós, ela tenta reconciliar-se não só com a memória deles, mas também consigo mesma.

Muito mais que uma emocionante história de amor — amor “exclusivo” tanto no sentido de “único” quanto no sentido de “egoísta”, um amor que exclui todos os demais — esta pérola da moderna literatura alemã constitui uma jornada de autoconhecimento, empreendida com absoluto domínio da narrativa, num estilo impecavelmente claro.

Forte, pungente, engraçado e lírico sem sentimentalismo, Um amor exclusivo é um livro encantador, que estimula as emoções e a reflexão em igual medida, por resultar do encontro de uma inteligência altamente sofisticada com a mais profunda sensibilidade artística.

“Esta é uma história de amor intensa, complexa, otimista, apaixonada, dolorosa e muitas vezes cômica. É também uma história de busca por amor. E ainda a história de uma busca por uma história que é ao mesmo tempo pessoal e universal. Um passado que faz parte do presente.”

Lily Brett, escritora australiana, autora de Things could be worse

“Quando um suicídio ocorre, duas perguntas parecem inevitáveis: como e por quê? Um amor exclusivo responde a segunda por meio de especulação, como deve ser. No entanto, esta história sobre os avós da autora, cujas vidas foram tão repletas de grande pesar, mas também enriquecidas de alegria e elegância à moda antiga, soa absolutamente verdadeira. Um amor exclusivo é um livro de profundo impacto, lindamente escrito e traduzido. Sem ser sentimental e nem propenso a julgar, proporciona não apenas uma leitura envolvente, mas também uma boa razão para pensar e contemplar seriamente ao se terminar de ler. Ele oferece um prisma através do qual é possível examinar e talvez compreender um ato tão complexo, deixando de lado o sensacionalismo para poder enxergar a lógica e a profunda humanidade.”

Elizabeth Berg, escritora norte-americana, autora de The last time I saw you

“Uma história que é perturbadora em seu imediatismo, e que, por meio de uma sensibilidade intuitiva, capta uma verdade surpreendente… De maneira muito simples, sem páthos, sem artifícios, este relato pessoal está escrito com a infinita gentileza da tristeza que encontrou a paz.”

Le Monde (França)

“Um belo livro.”

L’Express (França)

“O estilo simples e direto dela transmite a história com uma claridade perfeita.”

Le Figaro (França)

“No processo de assimilar fatos desconexos para construir uma história pungente e elegante, Adorján expõe suas próprias esperanças e medos, o que é um bônus a mais.”

Kirkus Reviews (EUA)

“Adorján escreveu um livro do qual emana uma sensação de casualidade da comédia da vida humana… Trata-se com certeza da obra de uma escritora nata, graciosa e convincente… um dos livros de memórias mais impressionantes publicados em anos.”

The Australian


“Um relato arrebatador de tristeza e sofrimento profundo.”

Vogue (Austrália)

“Um livro muito pungente.”

Die Zeit (Alemanha)

“A frase de abertura mais impressionante desta temporada literária.”

Libération (França)

“Uma narrativa maravilhosa sobre um casal extraordinário — encantadora, afetuosa e consoladora.”

Buch Journal (Alemanha)

“Melhor descrito como obra de não-ficção, este livro de memórias levou-me ao riso e às lágrimas.”

Herald Sun (Austrália)

“Um livro formidável… as sequências fluem pelo tempo e espaço, e da voz de uma pessoa para outra, com tranquila segurança, como uma grande composição musical.”

Sunday Star Times (Nova Zelândia)

“O fato de que a autora não se cansa de investigar esse enigma, de que ela submete tudo a escrutínio repetidas vezes, com coragem e uma inteligência mordaz, faz com que o livro dela sobre um domingo sombrio se torne uma obra fulgurante.”

Frankfurter Allgemeine Zeitung (Alemanha)

“Exclusivo, ou seja, singular, em todos os aspectos: no seu projeto, na sua realização e na sua tradução. Um empolgante conto de fadas suicida.”

Irène Heidelberger-Leonard, Universidade Livre de Bruxelas, Bélgica

“Fiquei muito emocionada com Um amor exclusivo — tamanha clareza de pensamento e sentimento! Johanna Adorján escreve com precisão e maleabilidade soberbas. É realmente um livro memorável.”

Diana Athill, escritora inglesa, autora de Somewhere towards the end

“Um livro de memórias poderoso e impressionante, em que o real e o imaginário se fundem de maneira tão inconsútil, que ficamos completamente enfeitiçados. A corajosa investigação de Adorján sobre os seus avós, que sobreviveram tanto ao Holocausto quanto à invasão soviética da Hungria, ilustra a resiliência do espírito humano bem como o seu oposto, o modo como as injúrias do passado continuarão a ecoar pelas gerações vindouras.”

Philipp Meyer, escritor norte-americano, autor de American rust

“O que temos aqui é o casamento de uma inteligência sofisticada com a sensibilidade de uma artista, gerando uma narradora que conta uma história familiar, como se fosse pela primeira vez. Este livro constitui, de fato, memórias enquanto literatura.”

Vivian Gornick, crítica norte-americana, autora de The solitude of self

Mais informações: www.geracaoeditorial.com.br

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s