Na Folha de S.Paulo – Cirurgia a frio

Por GUILHERME GENESTRETI
DE SÃO PAULO

No século 19, se alguém procurasse um hospital para tratar um problema no joelho, seria amarrado a uma mesa, e dois ou três enfermeiros segurariam seus ombros e braços enquanto o cirurgião, com as mãos ainda sujas por ter feito a autópsia em um cadáver, serraria seu osso para amputar o membro.
Tudo isso sem anestesia.
Descrições como essa, de um tempo em que o necrotério ficava bem ao lado da sala de operações, estão nas páginas de “Sangue e Entranhas”, livro que conta a história das cirurgias.
O autor, Richard Holligham, jornalista de ciência e apresentador da BBC, recua aos tempos de Galeno, e suas operações em gladiadores feridos nas arenas do Império Romano, e chega às técnicas recentes, como implantes de eletrodos no cérebro.
Nessa trajetória, Hollingham não poupou detalhes: fala de sanguessugas famintas, transplantes desastrados, lobotomias e máquinas futuristas que faziam as vezes dos órgãos do corpo.
“Muitos dos relatos parecem cena de filme de terror, mas ser operado antigamente era exatamente assim”, disse ele à Folha, por telefone, de sua casa, em Londres.
“As necessidades dos cirurgiões eram extremas. Só se operava quando não havia outra saída.”

MÉDICOS E MONSTROS
Hollingham escolheu cinco eixos para contar a evolução das operações: as cirurgias cardíacas, neurológicas, plásticas, a traumatologia e os transplantes.
Em todos, a figura do cirurgião evolui de um barbeiro ou outro membro das classes mais baixas até o profissional altamente especializado.
“Os médicos tinham boa reputação na sociedade, haviam estudado. Mas quem salvava as vidas eram os cirurgiões, menos letrados, mas habilidosos”, afirma.
Para salvar a vida valia tudo, até derramar óleo fervente sobre as feridas à bala, para neutralizar os efeitos “venenosos” da pólvora.
“Imagine o que era operar sem anestesia. As possibilidades eram limitadas”, diz André Mota, professor de história das práticas médicas e coordenador do Museu Histórico da Faculdade de Medicina da USP.
“Dizia-se que o cirurgião tinha que ter olhos de lince, mãos de mulher e a rapidez de uma lebre”, afirma.
Mesmo após a chegada da anestesia, os pacientes continuaram morrendo aos montes. “Com as mesmas mãos que o cirurgião fazia uma autópsia, ele comandava um parto”, diz Mota.
Para Hollingham, o período entre o surgimento da anestesia e a descoberta da importância da assepsia é o mais sombrio da história das cirurgias. “Muita gente morreu nessa época, porque graças à anestesia as operações puderam ser mais longas e profundas, sem que houvesse cuidado com limpeza.”

ENTRAR NA FACA
Apesar dos avanços, da medicina computadorizada e das cirurgias minimamente invasivas, o medo de deitar na maca ainda persiste.
“Nos primeiros anos dos transplantes de coração no Hospital das Clínicas, tinha paciente que fugia, com medo de ser usado como cobaia”, conta André Mota.
Em novembro do ano passado, foi a vez do próprio Hollingham passar pela faca, como muitos dos personagens que descreve no livro.
Deitado numa maca à espera de uma operação na articulação do joelho, ele diz ter parado para pensar que uma cirurgia como essa, há 200 anos, teria resultado numa amputação.
Indagado sobre se sentiu medo enquanto esperava a sua hora de ser operado, ele responde: “Eu tinha razões para isso. Sei muito sobre cirurgias”.

SANGUE E ENTRANHAS
AUTOR Richard Hollingham
EDITORA Geração Editorial
QUANTO R$ 42 (360 págs.)

 

ANÁLISE

Há feridas abertas entre clínica e cirurgia

Por HÉLIO SCHWARTSMAN
ARTICULISTA DA FOLHA

Os médicos não gostam muito de admiti-lo, mas é forte até hoje a rivalidade entre clínicos e cirurgiões.
O antagonismo tem origens no final da Idade Média. Mais ou menos até o século 12, clínica e cirurgia eram indissociáveis e praticadas, em geral, por clérigos.
A uma dada altura, a Igreja Católica ficou incomodada com o fato de padres e monges se ausentarem de suas obrigações para praticar medicina, de modo que baixou normas para afastá-los da profissão, que as autoridades eclesiásticas viam como uma atividade secular não compatível com a missão divina.
As restrições mais fortes vieram em 1215, no 4º Concílio de Latrão, e atingiram especialmente a cirurgia: “subdiáconos, diáconos e padres” foram proibidos de “exercer qualquer arte médica que envolva cortar ou queimar”.
A ideia era evitar que membros da Igreja se metessem com homicídios, ainda que involuntários.
Como alguém precisava “cortar e queimar”, chamaram os barbeiros, que, ao menos, estavam habituados às lâminas. O divórcio entre clínica e cirurgia estava selado.
Clínicos eram da elite e tinham grau universitário, ainda que a medicina da época não servisse para muita coisa. Já os cirurgiões eram barbeiros, cuja função era meter a mão na massa.
Só a partir do século 18 as carreiras se reconciliaram, embora algumas feridas não tenham cicatrizado até hoje.

http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/915789-historia-das-tecnicas-de-operacao-mostra-tentativa-e-muito-erro.shtml

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s