Homenagem ao Dia D – Dia de Carlos Drummond de Andrade / Resultado

     Memória

Amar o perdido
deixa confundido
este coração.

Nada pode o olvido
contra o sem sentido
apelo do Não.

As coisas tangíveis
tornam-se insensíveis
à palma da mão.

Mas as coisas findas,
muito mais que lindas,
essas ficarão.

Carlos Drummond de Andrade

“Fome”, que nesta tradução ganha a qualidade do texto de Carlos Drummond de Andrade, descreve de forma tragicômica as agruras de um escritor miserável e vagabundo, que vaga pelas ruas da antiga Cristiania (hoje Oslo, capital da Noruega) com as roupas em farrapos, famélico, levando um toco de lápis com o qual escreve artigos para jornais, dependendo do pagamento para comer e continuar vivo. Enquanto isso, reflete sobre o sentido da vida.

De forma angustiante, empolgante, você vai conhecer um homem pálido, jovem, criativo e com um vazio que o consome: a fome. Ele caminha pelas ruas quase desfalecendo, com o cérebro em brasas, buscando inutilmente ideias para os artigos que raras vezes saem do papel.

Os dias perdem cor e passam depressa enquanto a fome aumenta. Sem concentração, sem inspiração para escrever, o personagem divaga enquanto contempla o mundo e busca as razões para viver, sonhar e resistir.  “Se brotasse ao menos uma ideia, uma simples ideia, que me pegasse à força, me metesse as palavras na boca!”.

Na loucura, em meio ao desespero, pede um osso ao açougueiro, rói e procura feito um cão faminto pelos pedaços de carne. A consciência retorna e ele vomita, o odor de sangue seco é forte.

“Aquilo não tinha gosto; o cheiro nauseante de sangue velho subia do osso, dando vontade de vomitar. Fiz nova tentativa. Ah, se pudesse guardar um pedacinho de carne, certamente faria efeito; a questão era conseguir que ele ficasse lá dentro. Mas outra vez a náusea me invadia”.

Os conflitos do personagem ocorrem em situações que vão da lucidez à insanidade. Figura cômica, desprotegida, é fácil imaginá-lo nas condições mais tristes e deprimentes que parecem, muitas vezes, sem saída. Os críticos literários consideram Hamsun o criador do fluxo da consciência, ou seja, o pensamento do personagem é narrado de forma direta, sem cortes.

“Fome” é considerado o melhor livro deste autor muito conhecido no Brasil nos anos 40, quando aqui foram lançados títulos como “Um vagabundo toca em surdina”, “Pan”, “Frutos da terra” e “Vitória”, entre outros. Controvertido, excêntrico, polêmico, comovente, avassalador e monumental em sua obra cheia de sangue, vida e furor, Hamsun nos deixou uma obra paradoxalmente plena de amarguras, sonhos e descrenças, mas também de alegrias, otimismo e esperanças.

Dê RT na frase abaixo e concorra a um exemplar da obra Fome que foi traduzida por Drummond:

#DiaD Uma homenagem da @geracaobooks ao poeta Carlos Drummond de Andrade.  #diadrummond http://kingo.to/Sem


Resultado da Promoção:

Sorteio realizado em 04/11/2011 às 16:00 por @geracaobooks, através dos usuários que retuitaram o link http://kingo.to/Sem.

  1. @ximxom


Anúncios

3 Comentários

Arquivado em Uncategorized

3 Respostas para “Homenagem ao Dia D – Dia de Carlos Drummond de Andrade / Resultado

  1. Amo Carlos Drummond de Andrade, acho que a contribuição dele com a nossa literatura foi um belo acervo, que hoje podemos nos dar conta de tão bom ele foi.

    • A pesar de estar deixando este comentário um pouco atrasado (apesar que eu acho que dia de Drummond é todo dia), gostaria deixar registrado que acho a obra Drummond fantástica, apesar de não conhecê-la completamente, mas o que conheço ja é suficiente para poder afirmar.
      E eu como Carlos posso também dizer que:
      “Quando nasci, um anjo torto
      desses que vivem na sombra
      disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.”

  2. sérvio lima

    Drummond construiu uma grande OBRA LITERÁRIA…Era um poeta fabuloso….Drummond sempre!
    Vou deixar aqui minha contribuição para Carlos Drummond de Andrade
    em forma de poema…abraço… ( Sérvio Lima )

    CARLOS CARLOS

    Enquanto um Carlos
    em Drummond

    me
    cura
    calos,

    o outro Carlos
    em Andrade
    claramente
    me arde

    ( poesia )

    Sérvio Lima

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s