Poesias à flor da pele – Menção Honrosa

Parto – por Marina Moura

A poesia nasce pequenina frágil ágil
Vai crescendo entre meus órgãos dilacerados

Urra vagidos no cio da perpétua noite
Nasce escrava atrelada aos grilhões
das palavras apodrecidas no léu  do esquecimento

Ela é o orgasmo que alucina
E o filho que trará o tormento esperado

Missão de quem botou de lado a própria vida para dar vazão a existência outra
Inspiro até ter todos meus pelos do corpo arrepiados
Sua presença, sua suor suado
Lado a lado num universo distante
Quantificado em instantes fragmentados

Sou estático sou elástico
Sou melhor na horizontal
Sou fanático
Atormentado multilado multiângulos
Meu desejo sonâmbulo
Visita-te à noite e devora-te

Perco o ar
E não me canso de me cansar na sua fúria
No seu desgosto, no seu tormento, ferida exposta
É o meu alento saber

Que você existe ainda que insistindo em não me querer
E me corto até sangrar sua presença daqui de dentro

Sem consolo ou decoro eu te quero
E espero  até o fim prematuro

Tenho febre
Absurdo
Cego surdo
Arritmia
Coração atrofiado
A mutilação segue ao lado do meu peito atordoado
A carne incendeia
Espelho meus eus em tristes reflexos multifocais
E queimo e amo o dano e continuo nessa situação:
Falta de ação
Minha tristeza é quase mediúnica e não posso detê-la
– ela me consola, ela me sela, ela me some

Me repele a existência
Me mantém e repele – apela

É questão de vida e morte

“J’apporte la vie et la mort”

Prefiro o artigo definido, o que vive e faz sentido
Não se sujeitando à animosidade do tempo
Ao relento do descontentamento
A poesia habita
A poesia rasga
A poesia destronca
E finca suas hastes no império corpo

___________________________________________________________________________________________________

Na coreografia dos amantes – por Fabiano Nunes

eu quero
algum apego
que me pegue

um sossego
que me leve

um amor
que cegue

eu quero
tua pele

teu olhar
de fera
tua atmosfera

eu quero
teu corpo
na coreografia
dos amantes

dos cadentes
dos poentes
das estrelas guias

eu quero
o sabor
das salivas
dos fascínios

das noites
que vão surgindo

eu quero
o perfume
das flores
dos incensos

dos amores
intensos

Sobre o autor:

Fabiano Nunes, 38 anos, jornalista. Já foi repórter dos jornais Agora São Paulo e Diário de São Paulo e atualmente trabalha como repórter do caderno Cidade do Jornal da Tarde.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s