Arquivo do dia: junho 20, 2012

A mulher dos sapatos vermelhos e outras histórias

“A mulher dos sapatos vermelhos” é a reunião de 41 crônicas do jornalista Carlos Herculano Lopes.  Esses instantâneos, prenhes de singeleza e observação psicológica, acabam por formar um mosaico que constitui a nossa realidade diária em tudo que esta pode conter de colorido,
multifacetado, familiar, banal, anti-heroico, e, ao mesmo tempo, de surreal, insólito e absurdo, mas sempre com a leveza de tons de alguém que ama a vida, as mulheres, os bate-papos com amigos em bares e outros prazeres simples que, consoante Oscar Wilde, são o último refúgio do complexo.

Leia abaixo o texto O pentelho e o pentelhinho

O rapaz e dois amigos estavam tomando cerveja encostados no balcão de um bar da Rua Tenente Garbo, no Santa Tereza, coração boêmio de Belo Horizonte. Há muito tempo ele não ia àquele bairro, onde havia morado nos seus tempos de estudante, e do qual guardava

as melhores lembranças. Falavam de futebol, de política, das mulheres de Minas, que estão cada vez mais belas, quando de repente chega um homem moreno, ainda novo, e um menino, que era seu filho, como depois ficaram sabendo. Esse devia ter uns cinco anos no máximo e usava um boné com escudo do Cruzeiro.

Àquela hora o bar ainda não estava cheio e o homem, sem cumprimentar ninguém, já foi perguntando se ali se vendia cigarro de palha. Como a resposta foi sim, ele foi querendo saber qual era a melhor marca, porque não queria mata-rato. “Não sei, porque não fumo”, o dono respondeu, sem espichar maiores conversas, enquanto o garçom lhe servia uma cerveja, também sem dar muito papo. Provavelmente já o conheciam de outros carnavais. “Me arranja qualquer um, picado, e uma caixa de fósforos”, disse, como se ordenasse.

O rapaz e seus amigos continuavam encostados no balcão, quando o novo cliente, depois de dar o primeiro gole, foi comentando, dirigindo-se a eles: “Mas essa cerveja está quente, que porcaria…”. Como nenhum rendeu assunto, ele tratou de acender o cigarro, no qual também

foi colocando defeito: era forte demais, o fogo não pegava direito, o fumo estava mal picado. “Uma b.”. Enquanto isso, seu filho, o que usava boné com escudo do Cruzeiro, tratava de atazanar o garçom, tirando pedaços de um pernil que esse estava fatiando, para servir em

uma mesa. “Faz isso não, menino”, falou, olhando para o pai, que não tomou nenhuma providência. “Faço, sim, faço o que quero”, respondeu o guri, mostrando a língua.

“Que dupla!”, um dos amigos disse baixinho, quando o homem, depois de pegar outro “paioso”, porque aquele que lhe venderam estava “intragável”, pediu um pedaço de linguiça e uma “da roça, para esquentar o sangue”. Também naquela branquinha ele não viu nenhuma qualidade. “Já não se fazem cachaças como antigamente”, disse, voltando-se outra vez para os ocupantes do balcão. Como estavam falando sobre o Atlético e da nova fase com Vanderley Luxemburgo, ele foi tratando de dar seu palpite. “Tem jeito para o Galo não, podem trazer qualquer um que o Cruzeirão vai continuar por cima.” Como ninguém esboçou reação, ele se voltou para o dono do bar e perguntou, com um risinho: “Você não concorda, meu chapa?”. Esse fingiu que não ouviu, no momento em que o filho, depois de já ter mascado três

chicletes e cuspido as gominhas no chão, voltou a tirar pedaços em outra porção que o garçom preparava. Novamente, esse olhou para o pai, que apenas sorriu, e disse: “Esse meu bichinho é fogo”.

E a noite foi indo. Os amigos, depois de pedir outra cerveja, começaram a beliscar pedaços de uma carne de sol com mandioca, que era um dos carros-chefes da casa. Mas, também daquela iguaria o homem, sem ser solicitado, falou mal e disse que outra, feita pelo vizinho, “era

infinitas vezes melhor”. O bar, àquelas horas, estava bem cheio e quando o tal foi ao banheiro, onde eu seu filho já havia espalhado no chão os rolos de papel higiênico e deixado as torneiras abertas, o garçom aproveitou para dizer. “Esse é um mala sem alças. Quase todos os dias vem aqui com esse menino, só para encher o saco de todo mundo.” Alguns minutos depois, após comentar com o dono que o movimento naquela noite “estava bem fraquinho”, o pentelho e pentelhinho, como já eram conhecidos no pedaço, foram embora.

PROMOÇÃO:

Siga a @geracaobooks e dê RT na frase para concorrer ao livro “A mulher dos sapatos vermelhos”.

Quero conhecer a mulher dos sapatos vermelhos e outras histórias c/a @geracaobooks. http://kingo.tо/17GT #promo

Participe até 27/06 às 00h. Serão sorteados 3 exemplares no dia 29/06. O resultado será divulgado no blog.

Resultado do sorteio

Sorteio realizado em 29/06/2012 às 11:03 por @geracaobooks, através dos usuários que retuitaram o link http://kingo.to/17GT.

  1. @Ninii_Nhaaa
  2. @alinebelle
  3. @lf_campos

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Rio +20 e Quem somos “nós”?

Vinte anos após a ‘Cúpula da Terra’, realizada em 1992, a ‘Rio+ 20’ é um encontro para a discussão e reflexão sobre o quadro atual mundial e as expectativas e soluções para os próximos vintes anos.

A conferência reúne líderes mundiais, ONGs, ativistas, representantes do setor privado, empresas e outros grupos para debater e determinar as possibilidades de redução da pobreza, preservação do meio ambiente, promoção da justiça social e o desenvolvimento sustentável.

A partir dessa discussão resgatamos a análise do cientista alemão Harald Welzer que informa que a humanidade corre sério risco de viver uma constante guerra devido às consequências das mudanças climáticas nos países e povos.

Segue abaixo um dos artigos que compõe a obra “Guerras Climáticas – Por que mataremos e seremos mortos no século 21”:



Quem somos “nós”?

Ninguém emprega mais a primeira pessoa do plural na exposição de seus argumentos do que os neuro­cientistas, em suas obras didáticas publicadas em torno das variações climáti­cas ou sobre outros problemas ambientais da atualidade. Eles escrevem: “Nós” provocamos isto ou aquilo, “nós” confrontamos este ou aquele problema, “nós” precisamos parar de fazer isto ou aquilo, para que o “nosso” planeta possa ser salvo. Mas ninguém sabe o que está por trás deste “nós”.

Em uma primeira acepção, o termo “nós” representa claramente a huma­nidade, mas a “humanidade” não é nenhum ator, porém uma abstração. Na realidade, ela é composta por indivíduos contados em bilhões, os quais, a par­tir de seus substratos culturais muito diferenciados, com suas possibilidades muito diversas de desenvolvimento e com seus diferentes recursos de poder político, agem dentro de comunidades de sobrevivência complexas. Entre o presidente da diretoria de uma empresa multinacional fornecedora de ener­gia, que está constantemente em busca de novas fontes de matéria-prima e uma camponesa do interior da China não existe nenhum “nós” social que possa ser concretamente localizado; ambos vivem em mundos sociais total­mente diversos e com exigências bastante diferentes e, acima de tudo, os dois raciocinam de forma completamente diferente. E esse presidente da diretoria de uma empresa multinacional compartilha de um futuro na primeira pessoa do plural com seus próprios netos? Mais ainda, terá alguma coisa em comum com os netos da camponesa chinesa? Indiscutivelmente não, quanto mais com a realidade social vivenciada ainda hoje por uma criança refugiada em Darfur ou pelos Muhajeddin do Afeganistão ou mesmo por uma menina albanesa que se prostitui nas ruas de Tirana.

O emprego do pronome “nós” presume uma percepção coletiva da realida­de, que simplesmente não existe, particularmente dentro do contexto de pro­blemas globais como o aquecimento mundial. Em diferentes partes do mundo, as pessoas sofrerão as suas consequências de formas altamente diferenciadas e, enquanto para algumas elas despertam uma preocupação difusa e distante com o futuro abastecimento de seus netos, os filhos de outras já estão morrendo de fome agora. Ou quando “todos nós”, isto é, o leitor ou leitora deste livro e eu mesmo, determinamos viver amanhã em um ambiente de “clima neutro”, em que não produziremos mais emissões de dióxido de carbono além das que se­jam absolutamente necessárias para a manutenção da vida, somos sabotados por um outro “nós”, conforme declarou o funcionário chinês interessado no abastecimento de energia, a “nossa” preocupação é com cada detalhe da neces­sidade de acrescentar semanalmente à rede elétrica mil megawatts produzidos por usinas termoelétricas alimentadas a carvão, que emitem 30.000 toneladas de dióxido de carbono diariamente pela queima desse carvão.49

A indolência política deste “nós” abstrato ignora a influência soberana do poder e de seus efeitos e muito menos controla os posicionamentos ideológi­cos resultantes. Cientificamente, uma descrição do mundo na primeira pessoa do plural não somente é impossível, conforme demonstra indubitavelmente a história cultural da natureza, como assinala as diferenças radicais das necessi­dades de sobrevivência nas diferentes regiões da Terra.

Leia esse capítulo completo:  cap_livro_Guerras_Climaticas.

Mais informações aqui.

 

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized