Release: A caneta e o anzol

caneta

Domingos Pellegrini, grande cronista da vida no campo, nos deleita com histórias de pescaria, um dos passatempos mais agradáveis e relaxantes praticados pelo homem

Poucos escritores brasileiros evocam com mais autenticidade os costumes, a maneira de viver e o modo coloquial de falar das pessoas do interior do que o consagrado autor paranaense Domingos Pellegrini, um dos grandes cronistas brasileiros da vida no campo.

Em dezesseis singelos contos ilustrados cujo tema predominante é a pescaria, um dos passatempos mais agradáveis e relaxantes praticados pelo Homem — sem nada de épico à semelhança de Moby Dick, de Herman Melville, mas com momentos de pura emoção que encontramos em O velho e o mar, de Hemingway —, Domingos nos convida, neste livro encantador, a descobrir os prazeres simples da vida no campo, do encontro com os amigos, das reuniões em família, das tranquilas excursões à cata de peixes, do inigualável espetáculo do pôr do sol sobre um rio, trazidos à superfície pelo seu talento literário e pela notável sensibilidade do artista Fernando Souza.

Uma garça que observa um pescador, um avô que ensina o neto a pescar, um rapaz que quer fazer uma tatuagem, amigos decidindo qual tipo de isca usar, uma bem-humorada discussão entre vegetarianos e comedores de carne, o embate entre um pescador e um dourado: essas e outras situações prosaicas deste livro nos apresentam a pescaria como uma metáfora para a vida, em que cada momento a ser procurado e desfrutado é como um peixe.

No fundo, pescamos por diversidade, é, diversidade. Sentimos essa atração pelos peixes, e essa paixão por tirar peixes da água, porque somos tão diferentes. Eles vivem na água e não têm pernas ou braços, nada agarram, nada pisam. Nós vivemos na terra e necessitamos vitalmente do ar, onde eles morrem asfixiados como nós na água. Então, quando tiramos um peixe da água, parece que vencemos estas nossas fraquezas, trazendo-os para mostrar as suas, depois de viverem tão escondidos de nós.

Sobre o autor

Domingos Pellegrini é um dos maiores escritores brasileiros vivos, e também um dos raros no Brasil a viver da sua produção literária. Ganhador do Prêmio Jabuti em 1977 e em 2001, publicou pela Geração o romance Terra Vermelha, e pela Geraçãozinha os infantis No hospital de brinquedos, A história da gota d’água e A conversa das Letras. Autor profícuo, com mais de cinquenta títulos publicados, também participa de muitas coletâneas e antologias de contos, no Brasil e em países como Estados Unidos, México, Cuba, Alemanha, Itália, Chile, Dinamarca e França.

________________________________________________

A caneta e o anzol
Autor:  Domingos Pellegrini
Ilustrador: Rubem Filho
Gênero: Contos
Formato: 15,6×23
Págs: 191
ISBN: 9788581301013
Preço: R$ 26,00

Sinopse:
OS PEQUENOS PRAZERES DA VIDA EM 16 HISTÓRIAS DE PESCARIA Poucos escritores evocam com mais autenticidade a vida, os costumes e o modo coloquial de falar das pessoas do interior do que o consagrado autor paranaense Domingos Pellegrini, vencedor do Jabuti e diversos outros prêmios. Em 16 singelos contos ilustrados cujo tema predominante é a pescaria – sem nada de épico à semelhança de Moby Dick, mas com momentos de pura emoção que encontramos em O velho e o mar, de Hemingway –, Domingos nos convida, neste livro encantador, a descobrir os prazeres simples da vida no campo, do encontro com os amigos, das reuniões em família, das tranquilas excursões à cata de peixes, do inigualável espetáculo do pôr do sol sobre um rio, trazidos à superfície pelo seu talento literário e pela notável sensibilidade do artista Fernando Souza.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Release: Antes de partir

antes

Antes de partir relata os maiores arrependimentos de dezessete pacientes terminais acompanhados pela cuidadora australiana Bronnie Ware  

A morte nos amedronta e ponto final. Mas dizem que o antídoto para ela é viver intensamente todos os dias, tendo a coragem de experenciar uma vida honesta com nós  mesmos. Este é o grande segredo do livro Antes de partir, que traz lições preciosas dos relatos de dezessete pacientes terminais, transformando a experiência daqueles que estão prestes a dar seu último suspiro num alento para todos nós.

A responsável por reunir essas histórias inspiradoras foi a australiana Bronnie Ware, que passou a trabalhar como cuidadora apenas para sobreviver, mas que, aos poucos, foi se apaixonando pela profissão, tendo a sensibilidade de aprender filosofia com os últimos suspiros de seus pacientes. “Cada casa era uma sala de aula diferente”, diz Bronnie em sua obra Antes de partir, cujo título original é The top five regrets of the dying: a life transformed by the dearly departing, algo como Os cinco maiores arrependimentos dos que estão morrendo: a vida transformada (revista) na hora da partida.

Antes de reunir as principais histórias num livro, Bronnie, que também é compositora de músicas populares na Austrália, publicou alguns relatos em seu blog, sempre trocando os nomes dos pacientes, para proteger a privacidade deles e dos familiares. A repercussão a assustou, pois recebeu a “visita” de mais de um milhão de internautas em pouco tempo. Ela estava no caminho certo, como prova este livro de grande sucesso. A autora afirma que embora seu livro fale abertamente sobre morte e arrependimentos, na verdade, ela quis mesmo falar sobre  vida, coragem e esperança.

A obra fica ainda mais interessante quando acompanhamos a trajetória da própria escritora em busca da felicidade, não antes de passar por pensamentos suicidas e uma forte depressão, justamente no momento em que estava prestes a colher os frutos de anos de trabalho. As vidas e as lições vão se entrelaçando. As lições da morte vão dando lugar à vida, a uma consciência maior sobre esta preciosidade que temos dificuldade de entender.

Baseada nos relatos de seus pacientes, Bronnie nos ensina, por exemplo, que ser quem somos exige muita coragem; que o valor verdadeiro não está no que possuímos; que o que importa é como vivemos as nossas vidas; que podemos fazer alguma diferença positiva; que a vida não nos deve nada, nós é que devemos a nós mesmos; que a gratidão por todos os dias ao longo do caminho é a chave para reconhecer e curtir a felicidade agora; que a culpa é tóxica; que a solidão não é a falta de pessoas, mas de compreensão e aceitação; que é possível inventar vidas e demolir prisões criadas por nós mesmos. Enfim, ao falar da morte, a escritora nos revela que a percepção do tempo limitado pode aumentar a nossa consciência pela vida e nos induzir a tratá-la como uma preciosidade, que, realmente, ela é.

Esta obra mostra que a morte é a nossa grande conselheira por uma vida melhor. Vamos ouvi-la com atenção, em vez de temê-la.

Sobre a autora
Bronnie Ware é escritora, cantora ecompositora australiana. Ficou conhecida através de seu blog pessoal, em que compartilhava as principais histórias e experiências de seus pacientes à beira da morte. Com o sucesso do blog, decidiu publicar o seu primeiro livro, Antes de partir. Seu site oficial é o http://www.bronnieware.com

___________________________________________________________

Antes de partir
Autora: Bronnie Ware
Tradutor: Chico Lopes
Gênero: Desenvolvimento Pessoal
Formato: 15,6x23cm
Páginas: 316
ISBN: 9788581301051
Preço: R$29,90
Editora: Jardim dos Livros
Sinopse:
Eis que, ao falar da morte, Bronnie Ware nos enche de vida nestas preciosas páginas. Sem a intenção de escrever um livro de autoajuda, ela acaba nos revelando lições imorredouras. E nos ensina que ser quem somos exige muita coragem; que o valor verdadeiro não está no que possuímos; que o que importa é como vivemos as nossas vidas; que podemos fazer alguma diferença positiva; que a vida não nos deve nada, nós é que devemos a nós mesmos; que a gratidão por todos os dias ao longo do caminho é a chave para reconhecer e curtir a felicidade agora; que a culpa é tóxica; que a solidão não é a falta de pessoas, mas de compreensão e aceitação; que é possível inventar vidas e demolir prisões criadas por nós mesmos. Enfim, ao falar da morte, baseada nos relatos de dezenas de pacientes terminais, a escritora nos revela que a percepção do tempo limitado pode aumentar a consciência que temos da vida, esta preciosidade indefinível. É perda de tempo tentar defini-la — o mundo é espelho, reflexo de nós mesmos.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Escritoras brasileiras entram na febre das histórias pornô

09 de Dezembro de 2012

O sucesso da trilogia “Cinquenta Tons de Cinza” gerou uma febre pornográfica na literatura que alcançou também a produção nacional. Em “50 Versões de Amor e Prazer”, que chega às livrarias, 13 autoras brasileiras mostram seus contos eróticos.

A seleção foi feita por Rinaldo de Fernandes, que é escritor e professor de literatura. Entre as escolhidas está a jovem Luisa Geisler, de 21 anos, que assina quatro breves histórias, “Penugem”, sobre um homem que gosta de meninas mais novas, e “Foi Assim que Começou”.

No elenco de autoras há também veteranas como Márcia Denser. A paulistana cedeu quatro contos para a coletânea. Em “O Animal dos Motéis”, ela inicia a história com um trecho da música “Desabafo”, de Roberto Carlos. A canção embala as aventuras passadas no quarto de um motel.

– –

50 Versões de Amor e Prazer – Geração Editorial, 260 págs.

R$ 34,90.

Escritoras brasileiras entram na febre das histórias pornô

Deixe um comentário

Arquivado em Mídia

Folha de SP destaca livro “Antes de partir”

29/11/2012 – 15h30

‘Trabalhar demais’ é um dos principais lamentos de pacientes terminais
da Livraria da Folha

“Antes de Partir” reúne relatos de 17 pacientes terminais em suas últimas semanas de vida. Entre os arrependimentos mais comuns, “desejaria não ter trabalhado tanto” só fica atrás de “ter vivido a vida que eu desejava”.

O livro nasceu de um artigo escrito pela enfermeira australiana Bronnie Ware, “Os Cinco Principais Lamentos dos que Vão Morrer”, texto que em poucos meses ultrapassou 1 milhão de acessos. O número triplicou em um ano.

Ware alterou quase todos os nomes presentes no livro para preservar a privacidade de amigos e parentes. A escritora e compositora australiana trabalhou prestando cuidados paliativos a pacientes terminais, a maioria deles com câncer.

Ao falar da morte, a autora mostra que, no fim da vida, não há números –saldos bancários ou preço do carro novo–, mas emoções. “Um perdão não pedido, de um ‘eu te amo’ não dito”, como escreve o jornalista Jaime Pereira da Silva na edição brasileira.

Na introdução, a autora agradece as lições de vida que aprendeu nesse trabalho. “A todas as pessoas maravilhosas agora falecidas, cujas histórias não apenas construíram o livro, mas também influíram em minha vida significativamente”, escreve.

O volume é dividido em cinco lamentos: “Desejaria Ter Tido Coragem de Viver uma Vida Verdadeira para Mim Mesma, Não a que os Outros Esperavam de Mim”; “Desejaria Não Ter Trabalhado Tanto”; “Desejaria Ter Tido Coragem de Expressar Meus Sentimentos”; “Desejaria Ter Ficado Mais em Contato com Meus Amigos”; “Desejaria Ter-me Permitido Ser Mais Feliz”.

Autora apresenta lições de vida em relatos de pacientes terminais

“Antes de Partir”
Autor: Bronnie Ware
Editora: Jardim dos Livros
Páginas: 316
Quanto: R$ 24,90 (preço promocional*)
Onde comprar: pelo telefone 0800-140090 ou pelo site da Livraria da Folha

Deixe um comentário

Arquivado em Mídia

Release: Elizabeth I – O anoitecer de um reinado


elizabeth
Majestoso romance histórico lançado pela Geração Editorial remonta os últimos anos da lendária rainha da Inglaterra, Elizabeth I

Margaret George, uma das principais autoras de romances históricos da atualidade, mistura imaginação e erudição para trazer de volta à vida a maior e mais enigmática de todas as rainhas inglesas em Elizabeth I – o anoitecer de um reinado, permitindo aos leitores conhecer em primeira mão as decisões, triunfos e perdas dessa estadista sábia e previdente, mas também humana e passional.

Quando a narrativa começa, em 1588, Elizabeth I é rainha há trinta anos, e o seu reino está prestes a ser invadido pela Invencível Armada espanhola. A grande soberana ainda é poderosa, mas acometida por calores da menopausa e necessitada de apontamentos para auxiliar a memória. Nesse mesmo ano morre o seu grande amor, o conde de Leicester, e ela vai perdendo para o tempo um por um dos seus amigos e conselheiros.

O leitor enxerga os últimos anos da rainha pelos olhos desta e pelos de sua prima Lettice, igualmente ruiva e parecida com ela em caráter, embora seja o seu oposto em personalidade e estilo de vida. Elizabeth pensa no bem do seu reino, Lettice procura vantagens para a sua família; Elizabeth é a Rainha Virgem, casada com o seu povo, ao passo que Lettice tem diversos amantes, entre eles o próprio William Shakespeare, e três maridos, um dos Leicester, o homem que Elizabeth mais amou.

Por causa desse casamento, a rainha baniu a prima da corte e, desde então, uma rivalidade ferrenha entre essas duas mulheres inteligentes e fortes acarreta conflitos que acabam por envolver cortesãos e personalidades da época, como o filósofo Francis Bacon, o explorador Walter Raleigh e os dramaturgos Marlowe e Shakespeare. Ao se tornar o último grande favorito de Elizabeth, o conde de Essex, filho de Lettice e do finado amor da rainha, revela-se uma das piores ameaças à sua vida e a tudo que ela construiu em quase quarenta e cinco anos de reinado.

Com reconstituição de época impecável, narrativa envolvente e diálogos dignos do melhor roteiro de cinema, este majestoso best-seller compõe um retrato fiel da soberana mais formidável da Idade Moderna… e da única mulher que ela não conseguiu controlar.

Sobre a autora
Margaret George costuma viajar pelo mundo inteiro a fim de realizar pesquisas para escrever as suas obras, das quais a Geração publicou Memórias de Cleópatra (em três volumes) — já traduzida para dezenove idiomas —, Maria Madalena e Helena de Troia. Norte-americana, Margaret mora em Madison, Wisconsin, com o marido.

___________________________________

Elizabeth I – o anoitecer de um reinado
Autora: Margaret George
Tradutora: Lara Freitas
Acabamento: Brochura
Formato: 15,6×23
Páginas: 796
Categoria: Romance histórico
ISBN: 9788581300764
Peso: 984g
Preço: R$ 59,90
Editora: Geração Editorial

Sinopse:
Neste majestoso romance, o leitor enxerga os últimos anos da lendária rainha da Inglaterra não somente através dos olhos desta, mas também pelos de sua prima e rival Lettice Knollys, banida da corte por ter se casado com o grande amor de Elizabeth, o conde de Leicester. Essa rivalidade gera con itos que envolvem personalidades da época, como o lósofo Francis Bacon, o explorador Walter Raleigh, o pirata Francis Drake e os dramaturgos Marlowe e Shakespeare (um dos amantes de Lettice).
Quando o conde de Essex, lho de Lettice e do nado amor da soberana, se torna o favorito de Elizabeth, a Rainha Virgem enfrenta a maior ameaça à sua vida e a tudo que ela construiu em quase quarenta e cinco anos de reinado, a chamada era elisabetana. Em 1588, às vésperas do ataque da Invencível Armada espanhola ao reino inglês, Elizabeth I, rainha da Inglaterra, começa a contar a sua história até a sua morte em 1603, período do seu longo reinado que constituiu a primeira Idade de Ouro da história de seu país. Mais um extraordinário romance histórico da autora de Memórias de Cleópatra, Maria Madalena e Helena de Troia.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Lançamento “Os cenários ocultos do caso Battisti” em São Paulo

Aconteceu nesta quinta-feira  (6/12) o lançamento do livro Os cenários ocultos do caso Battisti, de Carlos A. Lungarzo, na Livraria Cultura Shopping Bourbon, em São Paulo.  Confira as fotos:

DSC03208
DSC03217

DSC03225

DSC03250

DSC03240

DSC03257

DSC03276

DSC03288

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Release: Os cenários ocultos do caso Battisti

CONSPIRAÇÃO INTERNACIONAL CONTRA UM ÚNICO HOMEM

Capa_Batisti_FINAL

Geração Editorial lança Os cenários ocultos do caso Battisti, em que o autor Carlos Lungarzo garante demonstrar que o julgamento de Cesare Battisti no STF foi “uma farsa” e que o ex-guerrilheiro italiano é inocente

Após o fim da 2ª Guerra Mundial, os EUA e seus aliados criaram um plano para desestabilizar o bloco soviético e aniquilar a esquerda dos países da Europa. Por razões ideológicas e estratégicas a Itália foi escolhida como cenário principal da operação terrorista Gladio. Esta atuou com assassinatos e ataques a bombas que deixaram centenas de vítimas civis. Gladio foi liderada pelas Forças Armadas, ex-líderes fascistas e grande parte dos novos políticos da Itália e contou com a ajuda da máfia e de instituições confessionais. O terrorismo, a perseguição, a tortura e a miséria geraram numerosos grupos de resistência, entre eles o dos PAC, ao qual pertenceu Cesare Battisti.

Capturado em 1979 por delitos considerados pela própria Itália como exclusivamente políticos, Battisti fugiu para o México em 1981. Porém, com ajuda de delatores premiados, que tiveram redução de até 80% em suas penas, os magistrados reabriram o processo dele e lhe imputaram o homicídio de quatro pessoas, sendo que os autores dos crimes já estavam condenados e presos. Sem provas nem testemunhas, com documentos e procurações falsificadas, Battisti foi condenado a duas prisões perpétuas. Fugindo da prisão na Itália, viveu no México e, depois de anos, obteve refúgio do governo Mitterrand, na França. Com a retirada do asilo francês, fugiu para o Brasil, onde ficou preso por quatro anos, enquanto seu processo de extradição era julgado pelo STF. A maior parte da midia condenou Battisti antes mesmo do final do julgamento.

A obra Os cenários ocultos do caso Battisti descreve o drama de Battisti em três atos: o cenário de repressão e terrorismo da Itália, o segundo julgamento em Milão e, finalmente, a continuação do linchamento no Brasil.

No Brasil, Battisti teve a simpatia de dezenas de organizações humanitárias e sociais e milhares de pessoas, que confrontaram a intensa febre de terrorismo linchador. Durante quatro anos o autor pesquisou extensa documentação, auxiliado por entidades de direitos humanos e grupos ativistas de apoio a Battisti na Europa, analisando em detalhe as fraudes e falácias dos julgamentos, desvendando muito do que estava oculto.

SOBRE O AUTOR

Carlos A. Lungarzo mora no Brasil, é doutor em Ciências Sociais e Ciências Exatas e pós-doutor na área de sociologia matemática pela McGill University (Montreal, Canadá). Foi professor titular das Universidades Estaduais de Campinas (UNICAMP) em São Paulo, e do Rio de Janeiro (UERJ), além de visitante em universidades de vários países. Foi pesquisador do CNPq do Brasil, entre 1988 e 2004. Escreveu artigos em periódicos especializados e publicou nove livros da sua área. É militante voluntário em organizações de direitos humanos e de organismos internacionais de refugiados há mais de 30 anos.
_____________________________________
OS CENÁRIOS OCULTOS DO CASO BATTISTI
Autor: Carlos A. Lungarzo
Acabamento: Brochura
Formato: 15,6×23
Páginas: 384
Categoria: Reportagem
ISBN: 9788581301204
Peso: 614gr
Preço: R$45,00
Editora: Geração Editorial
Sinopse:
Cesare Battisti, militante antifascista na Itália de 1970, foi o estrangeiro mais mencionado pela mídia brasileira, que desfechou, entre 2008 e 2011, uma campanha violenta de ódio e aniquilamento jamais vista na história.
Battisti foi preso em 1979, acusado apenas de delitos políticos, fugiu da Itália e, anos depois, entre 1982 e 1988, foi julgado, em ausência, em Milão. Só então foi acusado e condenado a duas prisões perpétuas por qua-tro homicídios, um deles como “cúmplice moral”, e nos demais como participante ou executor, mesmo com os verdadeiros autores dos crimes já julgados e até sentenciados. Não houve provas, nem testemunhas, nem indícios, nem advogados reais, os advogados de defesa nestes julgamentos receberam procurações falsificadas. Os fatos foram inventados pelos magistrados com a ajuda de delatores premiados, que tiveram até 80% de suas penas reduzidas. Por que toda essa conspiração?
Depois de anos, Battisti obteve refúgio do governo Mitterrand, na França. Com a retirada do asilo francês, fugiu para o Brasil, onde ficou ilegalmente preso por quatro anos, e sua extradição foi alvo de duro julgamento pelo STF e de implacável campanha da mídia. Por que tamanha mobilização contra Battisti? O que nunca foi revelado sobre este caso? O autor, Carlos A. Lungarzo, ativista de direitos humanos, desvenda e revela algumas das motivações ocultas para este linchamento, que tripudiou o direito humanitário, ameaçou a democracia brasileira e a legislação internacional.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

O fracasso de uma grande cruzada reacionária de linchamento judicial

Capa_Batisti_FINAL

Por Celso Lungaretti (*)

O professor universitário e defensor dos direitos humanos Carlos Lungarzo estará lançando nesta 5ª feira (6), na capital paulista, seu abrangente livro sobre uma das maiores vitórias já conquistadas pelos homens justos contra uma grande cruzada reacionária de linchamento judicial: Os cenários ocultos do Caso Battisti (Geração Editorial, 2012, 384 p.).

Trata-se de uma oportunidade para o grande público ficar conhecendo tudo que foi escamoteado pela grande imprensa ao longo dessa longa batalha que deverá ser reconhecida, com o passar do tempo, como tão importante quanto os casos de Dreyfus e de Sacco e Vanzetti, com a diferença de haver terminado num quase impossível triunfo, dada a extrema disparidade de forças: foram derrotados o governo fascistóide de um país do 1º mundo, os reacionários de dois continentes e a mídia tendenciosíssima que exerceu influência avassaladora sobre a  maioria bovinizada.

Como ocorreu com Alfred Dreyfus, o malogro final da conspiração não impediu que o injustiçado tivesse sua carreira (a dele militar, a de Battisti literária) muito prejudicada, além de passar vários anos na prisão. Mas, ao menos, ambos viram o castelo de cartas desabar ainda em vida, ao contrário de Nicola Sacco e Bartolomeo Vanzetti, cuja inocência só foi oficializada postumamente, no cinquentenário de sua execução, pelo governador de Massachusetts.

Com recapitulação bem didática e análises impecáveis, Lungarzo leva a cabo a árdua tarefa que se propôs, qual seja a de identificar “os fatores ocultos que fazem possível uma maré de linchamento dessas dimensões”. Eis sua proposta de trabalho:

“Percebi que deveria aplicar as teorias usadas por pesquisadores europeus para descrever os mecanismos de ódio dos nazistas antes e durante a 2a Guerra Mundial. Também foi determinante para a compreensão desse fato o terrorismo de estado incubado na Itália já em 1947. Os patrocinadores desse terrorismo, os EUA e a Aliança Atlântica (OTAN), resgataram o antigo fascismo e o adotaram como parceiro na Operação Gladio, que contou com o apoio dos neofascistas, da centro-direita, da Igreja, das Forças Armadas, da máfia e das empresas.
O caso Battisti se desenvolveu, aparentemente, em cenários visíveis, como a corte suprema brasileira, mas os fatos reais foram incubados em cenários ocultos, onde se fabricaram as armas psicológicas, midiáticas e jurídicas usadas para forçar a extradição”.

A programação do lançamento inclui debate, do qual participarei, juntamente com o senador Eduardo Suplicy e outros. Está prevista a presença amigável de Battisti – que, por impedimento legal, será obrigado a manter postura discreta, não se manifestando sobre o caso em si. A partir das 19 horas, na Livraria Cultura do Shopping Bourbon (rua Turiassu, 2.100, Pompéia).

* jornalista e escritor.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Autor do livro Marketing eleitoral chega aos EUA para acompanhar a eleição presidencial

marketing_eleitoral

Carlos Manhanelli, autor do livro Marketing Eleitoral – O passo a passo do nascimento de um candidato, chega hoje aos Estados Unidos para acompanhar a eleição presidencial, juntamente com um Seminário Especial de Campanhas Eleitorais promovido pela George Washington University em Washington DC. Manhanelli é publicitário, jornalista, radialista, administrador de empresas com especialização em Propaganda e Marketing pela ESPM, MBA em Marketing pela USP, pós-graduado em Ciência Política pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo e Mestre em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo. Professor no curso “Máster en Asesoramiento de Imagen y Consultoría Política (MAICOP)” da Universidad Pontificia de Salamanca – Espanha. Foi eleito pelos leitores da revista americana Campaigns & Elections como um dos melhores consultores políticos da Ibero – América, fazendo parte do seu “hall da fama”. Autor, co-autor e coordenador de dezesseis livros sobre a matéria, entre ekes :

 Sobre o livro:

Marketing Eleitoral – O passo a passo do nascimento de um candidato
Sinopse: Este é um manual prático para orientar o consultor político-eleitoral, através de informações claras, slides, modelos e planilhas, sobre como apresentar um projeto de marketing eleitoral a um candidato a cargo eletivo em qualquer esfera, além de esclarecer as dúvidas mais frequentes sobre o trabalho desse tipo de consultoria.
Editora: Geração Editorial
Autor: Carlos Manhanelli
Número de páginas:
144
Preço: R$ 24,90

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Release: 50 versões de amor e prazer – Erotismo feminino à brasileira

50versao

Geração Editorial lança coletânea com 50 histórias de alta voltagem erótica e qualidade literária por 13 autoras nacionais

Erotismo e qualidade literária nem sempre andam juntos. Ao reunir 13 autoras brasileiras de alto nível – algumas delas já veteranas, como Márcia Denser e Cecília Prada, e outras, como Luísa Geisler, de 21 anos, extremamente jovens – esta coletânea fascina por unir esses dois atributos: erotismo e qualidade artística, tornando o livro uma alternativa aos livros eróticos publicados na onda inaugurada pelo best-seller Cinquenta tons de cinza.

O erotismo reunido e o organizado pelo professor de literatura e escritor Rinaldo de Fernandes é ora romântico, refinado, implícito, ora obsceno, pervertido, explícito e até bizarro. Reflete de algum modo, e criticamente, nos momentos mais crus, a cultura da pornografia, a indústria do sexo e seus incontáveis produtos.

As 13 escritoras que integram o livro são todas importantes e premiadas no cenário da literatura brasileira atual. São elas: Ana Miranda, Ana Paula Maia, Andréa del Fuego, Ana Ferreira, Állex Leilla, Cecilia Prada, Heloisa Seixas, Juliana Frank, Leila Guenther, Luisa Geisler (autora de apenas 21 anos e que é uma das revelações da literatura brasileira), Márcia Denser, Marilia Arnaud e Tércia Montenegro.

“Hot dog”, de Állex Leilla, flagra uma mulher no trânsito que de repente se depara com um “ex-amigo” – e aí lhe ocorrem imagens intensas, de instantes que ela passou com o rapaz; a mulher revive ao volante cenas de sexo bizarro. “Enquanto seu lobo não vem”, de Ana Ferreira, é escrito em forma de carta, da mulher para o marido pedófilo.

“A sesta”, de Ana Miranda, é um conto notável – ativa o apetite do leitor ao associar os campos semânticos do sexo e do paladar. “Perversão”, de Ana Paula Maia, é a história de um homem casado cujo prazer erótico está em seduzir outras mulheres e dispensá-las após um jantar romântico, deixando-as arrasadas. “O amante de mamãe”, de Andréa del Fuego, é demolidor – a mãe e o pai, as aparências preservadas, optam pela traição; a filha almeja um amante como o da mãe.

Cecilia Prada, em “Insólita flor do sexo”, de um erotismo requintado, relata as descobertas de uma menina de 13 anos num colégio de freiras (tem o desejo despertado por uma das freiras que parece “um homem” e que a menina, retocando-lhe a figura, imagina ser seu “namorado”).

“Romance de calçada”, de Juliana Frank, é magistral – trata-se de uma pequena obra-prima da narrativa sadomasoquista. “Pérolas absolutas”, de Heloisa Seixas, traz como protagonista uma mulher que circula de carro na noite e se depara com um travesti – a narrativa expõe os subterrâneos, as sombras por onde os seres, solitários e sequiosos, deslizam na grande cidade. “Romã”, de Leila Guenther, é a história de Lia e sua relação com um professor de psicologia. No conto um incesto é insinuado.

Luisa Geisler tem apenas 21 anos e é uma das revelações da literatura brasileira. “Penugem”, com um narrador-personagem astuto, aparentando não ser o que de fato é (um pedófilo, “espectador” de sua própria filha), é um conto estupendo. As protagonistas de Márcia Denser são irônicas, liberadas, permissivas – uma das melhores cenas de sexo de nossa literatura é a do desfecho de “O animal dos motéis”.

Marilia Arnaud é uma contista impiedosa – o premiado “Senhorita Bruna” é sobre ciúme e vingança (traz uma frenética cena de masturbação). “Curiosidade”, Tércia Montenegro, com a protagonista numa varanda, “nua e indefesa”, induzida pelo parceiro, explora o tema do exibicionismo. “Um caso familiar”, também de Tércia, é um conto imaginativo e impactante – Jéssica, a amiga da narradora, pratica sexo (ménage) com Rubem e a avó deste.

___________________________________________________
5050 versões de amor e prazer
Organizador: Rinaldo de Fernandes
Acabamento: Brochura
Formato: 15,6×23
Páginas: 360
Categoria: Contos
ISBN: 9788581301228
Preço: R$34,90
Editora: Geração Editorial
Sinopse:
Ao reunir 13 autoras brasileiras de alto nível – algumas delas já veteranas, como Márcia Denser e Cecília Prada, e outras, como Luísa Geisler, de 21 anos, extremamente jovens – esta coletânea fascina por unir esses dois atributos: histórias de altíssima voltagem erótica e plena qualidade artística.

 

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized