Arquivo da tag: entrevista

Entrevista com Dad Squarisi, autora do 1º manual de redação multimídia, no Programa do Jô

Sobre o livro:

Manual de Redação e Estilo – para Mídias Convergentes
Autor:
 Dad Squarisi
Formato: 15,5 x 22,5 cm.
Páginas: 404
Categoria: Jornalismo
ISBN: 978-85-61501-69-3
Código de barras: 978-85-61501-69-3
Sinopse: Os meios de comunicação de massa e individuais se entrelaçam cada vez mais. Jornais, revistas, rádio, televisão, internet, blogues, sites de relacionamentos, e-books, iPhone, iPad, iPod… Pode uma coisa dessas? Sim, pode, é a Torre de Babel subindo em direção aos céus. Mas antes que a balbúrdia se instale, convém colocar ordem na casa. Assim nasceu este manual, um pronto-socorro da língua portuguesa, pau pra toda obra na hora do sufoco, de redigir, desde uma reportagem, até um texto profissional ou escolar. Destina-se a ajudar profissionais de comunicação e todos que queiram se expressar com mais clareza, eficácia e sedução tanto na escrita quanto na fala. Em vez de regras gramaticais, a autora prefere dar exemplos que falam muito mais alto, com humor, pitadas de ironia e leveza. Que tratamento dar na hora de escrever? Dad Squarisi responde: “O rádio exige coloquialismo. A tevê, agilidade. A web, síntese. O jornal, tudo isso e algo mais. O editorial pede terno e gravata. Nunca smoking. Reportagens, entrevistas, perfis vão bem de blazer e calça jeans. Nunca de bermuda e camiseta. Colunas, crônicas e blogues podem aparecer de sunga e sandália ou traje de baile”.Assim fica fácil aprender. Este manual tem tudo para ser o livro mais manuseado da língua portuguesa. Quem tiver dúvidas que lance a primeira palavra.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Nas profundezas da mente Kafkiana

O Digestivo Cultural, um dos principais portais de cultura do país, entrevistou nesta semana Jeanette Rozsas, autora de Kafka e a Marca do Corvo, lançado neste ano pela Geração Editorial.

No bate-papo, Jeanette fala sobre sua carreira literária, o processo de produção do livro, a vida interior e as idiossincrasias de Franz Kafka, entre outros assuntos.

Abaixo, algumas frases de Jeanette Rozsas ao Digestivo Cultural.

“A vida pacata e burguesa de Kafka estava só no exterior… E que imenso mundo dentro de sua cabeça! Algo que o torturava e que ele só extravasava por meio da literatura. Sua vida interior era tão densa e criativa que gerou incontáveis estudos.

(…) Kafka foi uma experiência única: um mergulho na angústia, na depressão, na culpa, nas frustrações, na doença e, principalmente, na obra de um dos maiores escritores de todos os tempos. Ninguém passa impunemente três anos estudando, e escrevendo, sobre Kafka.”

(…) Se um escritor hoje não se dispuser a participar de eventos de divulgação de sua obra, morrerá desconhecido — junto com todo o trabalho e a frustração de ver naufragar um projeto de vida…

(…)Kafka, por exemplo, ficava frustradíssimo quando não conseguia publicar um livro! E só teve a sexta parte de sua obra editada em vida…”

Clique aqui para ler a entrevista na íntegra

Mais

Conheça melhor o livro Kafka e a Marca do Corvo

Veja e baixe imagens da obra

Deixe um comentário

Arquivado em Autores, livros, Mídia

Palmério Dória fala à Folha de S.Paulo sobre o livro Honoráveis Bandidos

Polêmico e contundente, livro mostra um retrato do Brasil na Era Sarney

Clicando no link acima, você pode ouvir e baixar a entrevista de Palmério Dória ao site da Livraria da Folha, pertencente ao jornal Folha de S.Paulo.

Na entrevista, Palmério fala sobre o processo de produção do livro, os desmandos da política na Era Sarney, nepotismo, controle dos meios de comunicação e ainda sobre o poder do velho coronel nos dias de hoje. Não perca!

Deixe um comentário

Arquivado em Autores, Lançamentos, livros, Mídia

“Há quem diga que o Lula governa, mas quem manda é o Sarney”

Leia entrevista com Palmério Dória, autor do livro-bomba “Honoráveis Bandidos – Um retrato do Brasil na Era Sarney”, lançado este mês pela Geração Editorial.

Quando começou a pesquisar sobre a vida de Sarney e seus colegas da política?

O Sarney é um cara antigo na minha vida. Tudo começou quando eu era diretor do jornal. “O Nacional”, no Rio de Janeiro, um semanário criado em 1986, de oposição a Sarney. O prato principal deste veículo era denunciar a política da Nova República. Eu era diretor de redação desta derradeira aventura de Tarso de Castro, o inventor do “Pasquim”, conhecido por formar sempre uma equipe de peso. Na lista dos colaboradores vale relembrar de alguns nomes como Cláudio Abramo, Rubem de Azevedo Lima, Paulo Caruso, Fortuna, Moacir Werneck de Castro, Eric Nepomuceno, Luis Carlos Cabral, Alex Solnik e o próprio Myltainho, que chefiava a sucursal paulista. Outro momento em que fiquei de frente novamente com o Sarney foi em 2000, quando começaram a especular a possível candidatura de Roseana Sarney para a presidência da República. No final de 2001 eu fui para São Luís do Maranhão cercar a vida dele e de toda a família. Depois publiquei no começo de 2002 uma matéria na revista “Caros Amigos”, “O nome dela é Roseana, mas pode chamar de Sarney”. Neste texto ela foi apresentada como a “número 1 do miserê”. Neste texto eu dizia onde o Maranhão era governado: na sede da Lunus do Jorge Murad. Uma semana depois de a revista ir para as bancas, por coincidência ou não, a Polícia Federal veio a estourar o local e encontraram neste endereço mais de um milhão de reais num cofre. Foi aí que a candidatura dela desabou. Na seqüência, eu publiquei o livro: “A candidata que virou picolé”, pela editora Casa Amarela. E um ano antes de o Sarney virar pela terceira vez presidente do Senado eu já estava na cola dele em razão da investigação da polícia federal sobre o filho dele, o Fernando, com a já famosa operação Boi Barrica.

Por que o coronel do Maranhão é um personagem quente?

Quando eu conversei com um historiador, Joel Rufino dos Santos, ele me perguntou, assim de brincadeira, “quem é o Sarney”? Parecia não ser um personagem quente. Mas ele nunca deixou de ter o poder da caneta, o poder de nomear, ele nunca deixou de indicar e de participar de todos os governos. Eles tinham a impressão que ele era um personagem menor, isso há alguns anos antes de ele assumir o Senado. Na ditadura ou fora dela ele sempre manteve o poder. O setor elétrico, por exemplo, é todo dele!

Você escreveu o livro ao mesmo tempo em que os escândalos iam estourando?

No livro o leitor vai se deparar simultaneamente com o que imprensa divulgava naquele momento e o que já havíamos investigado por nossa conta. É uma leitura que vai proporcionar também uma visão sobre a cobertura que a mídia fez sobre os fatos. Todas as apostas na queda dele eram irreais. Mas depois eu percebi que realmente o livro estava correto na sua narrativa. O coronel parece que nunca vai cair, ele está mais firme do que nunca. Sarney é sem dúvida o honorável dos honoráveis.

O coronelismo está em extinção?

Sarney é um sobrevivente de uma geração, mas ele não é para sempre. Certamente seus seguidores continuaram a adotar a cartilha do mestre. Ele é um novelo de mentiras, vai envolvendo todo mundo. Neste livro o leitor vai saber como o poderoso consegue manipular tanta gente. Ele é o cara que as pessoas dão como morto, mas depois aparece como aquelas almas mal-assombradas num cemitério. Ele é o mais arguto, o mais habilidoso dos animais políticos em cena no país. Quem não enxerga isso será sempre enrolado pelo Sarney. Agora ele tem que estar vivo e atuante para eleger o Fernando Sarney – o cérebro financeiro da família – e dar-lhe imunidade parlamentar A verdade é que os filhos dependem dele.

Como será a política brasileira depois da era Sarney?

Os seguidores estão espalhados. Vai continuar de uma forma mais baixa, sem coronel mas com os métodos que o consagraram. O Sarney é um caro temido, ninguém o ama. O ACM era um cara estimado por parte da população baiana. O Sarney é temido. O sarneismo sem Sarney será pior ainda. De hora em hora, Deus piora. Lula é refém dele. Há quem diga que Lula governa, mas quem manda é o Sarney.

Você acredita na reforma política?

Não há interesse dos políticos para que isso ocorra, ou seja, sempre ficará a mesma coisa. As velhas lideranças estão desgastadas e o eleitorado não acredita em mais ninguém. O cinismo tomou conta da classe política e da própria população. A tarefa que resta para o jornalista é continuar contando. Os quadros políticos são pavorosos. Basta olhar as lideranças políticas para perder qualquer esperança. Cito: Collor é fiscal do PAC; Almeida Lima é fiscal do Orçamento da União; Wellington Salgado faz parte da Comissão de Constituição e Justiça.

Você conhece o Sarney?

Só vi o Sarney de perto uma vez na vida, na sabatina da “Folha de S. Paulo” em agosto de 2008, perto de estourarem os escândalos contra o Fernando Sarney. Tinha pouquíssima gente, uma mesa formada pelos principais jornalistas da “Folha”, mediada pelo Clóvis Rossi que abriu o papo dizendo que os brasileiros tinham uma relação de amor e ódio com o Sarney. Mas quem ama José Sarney? Só a dona Marly.

1 comentário

Arquivado em Autores, Lançamentos

Autor de Jack, o Estripador fala sobre a obra em podcast

O podcast do e-zone online entrevista nesta semana Paulo Schmidt, autor do livro Jack, o Estripador – a verdadeira história, 120 anos depois.

Para ouvir a entrevista, clique aqui.

O livro, lançado recentemente pela Geração Editorial, conta a história do serial killer mais enigmático de todos os tempos. Jack nunca foi preso e, assim, ninguém sabe quem ele realmente foi e por que cometeu seus assassinatos. É um enorme ponto de interrogação.

Paulo Schmidt investigou a fundo registros históricos, teorias e considerações atuais para recompor a trajetória do misterioso assassino, o mais famoso de todos os tempos.

Para conhecer melhor Paulo Schimidt, visite:

http://pauloschmidt.multiply.com

http://pauloschmidt.blogspot.com

Para saber mais sobre Jack, o Estripador – a verdadeira história, 120 anos depois

Release da Obra

Entrevista com o Autor

Leia o Capítulo 1

Veja vídeo sobre o livro:

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

more about “Autor de Jack, o Estripador fala sobr…“, posted with vodpod

Deixe um comentário

Arquivado em livros, Mídia