Arquivo da tag: Igreja Católica

Release: Veneno nas veias – Memórias de Lucrécia Bórgia, de M.G. Scarsbrook

“VENENO NAS VEIAS” REVIVE A HISTÓRIA DA FAMÍLIA BÓRGIA ATRAVÉS DAS MEMÓRIAS DE LUCRÉCIA, COM MUITO SUSPENSE.

 “Veneno nas veias”, do autor canadense M.G Scarsbrook, que vive hoje em South Gloucestershire, Inglaterra, é um romance histórico, gênero em que o autor se especializou e pelo qual se tornou conhecido através do best-seller “A conspiração Marlowe”.

Desta feita, Scarsbrook decidiu explorar um assunto de tremenda relevância e de interesse permanente para gerações de estudiosos da História ou meros interessados na celebridade de uma família que se celebrizou pela fusão de poder em escala inimaginável (tendo como patriarca um Papa) e crime também em escala atroz: os Bórgia.

A história nasce a partir das memórias de Lucrécia Bórgia, provavelmente o membro mais famoso da família, associada para sempre aos métodos cruéis de assassinato (com veneno) e à lascívia, além da perfídia nos cálculos de ascensão ao poder. No entanto, Scarsbrook parece empenhado em revelar Lucrécia sob aspectos mais amenos, pois a sentimos desde o início mais como vítima das perfídias da família e de seu meio e submetida, numa época em que as mulheres não tinham vez ou voz, à influência esmagadora do Papa Alexandre VI, o Bórgia que é seu pai.

No carnaval romano de 1497, Lucrécia sofre tentativa de estupro por parte de um guarda de uma família rival dos Bórgia, os Orsini, e seu irmão César a defende, matando o guarda e aumentando a animosidade entre as famílias. O ato cruel faz que ela perceba que César é dominado por um temperamento arbitrário e violento. Quando um outro irmão, Juan, leviano e mulherengo, também é morto e atirado com pedras no rio Tibre, a suspeita recai sobre algum membro dos Orsini, mas Lucrécia começa a desconfiar de César. Mais tarde, casando-se por imposição do pai com um membro da Casa Real de Nápoles, um Aragon, Lucrécia terá razões de sobra para acreditar que está numa família onde o assassinato, as taras sexuais (seu pai mantém um grupo de cortesãs e isola a verdadeira mulher, Vanozza, dos filhos) e a sede de poder não têm limites.

São as memórias desta mulher, que a literatura e o cinema sempre mostrou como um símbolo de perversidade a avidez pelo poder, que fazem o interesse do livro, abrindo-o para novas leituras da família Bórgia e fazendo com que, à maneira de “A conspiração Marlowe”, “Veneno nas veias” nasça predestinado a agradar ao grande público que aprecia romances históricos que colocam personagens famosos sob novas luzes.

SOBRE O AUTOR

M.G SCARSBROOK – É o pseudônimo literário de Mathew Graham Scarsbrook, autor nascido em 1981 em Vancouver, no Canadá, que viveu no Canadá, Grã-Bretanha e EUA e escreveu o best-seller “A conspiração Marlowe”. Roteirista, editor também de vários livros de não-ficção e grande conhecedor da história inglesa, Scarsbrook ganhou o prêmio “Writers on The Storm Screenwriting Competition”. Ele reside atualmente em South Gloucestershire, Inglaterra.

Veneno nas Veias: Memórias de Lucrécia Bórgia
Autor:
M. G. Scarsbrook
Gênero: Romance Histórico
Formato: 15,6 x 22,4?
Páginas: 338
ISBN:  978-85-8130-008-30                                                                                             
Cód. De Barras:
978-85-8130-008-30
Sinopse:

QUEM FOI LUCRÉCIA BÓRGIA?
QUAL FOI SEU PAPEL NA FAMÍLIA MAIS CELEBRIZADA PELO CRIME E CORRUPÇÃO NA HISTÓRIA?

Ela se tornou uma lenda por sua beleza, sua sexualidade e seus crimes, nos quais utilizava fulminantes poções venenosas. Mas quem foi, de fato, Lucrécia, a filha do Papa Alexandre VI, o patriarca da corrupta e violenta família Bórgia, que na modernidade já rendeu romances, filmes e minisséries de TV?
Neste romance histórico eletrizante, a própria Lucrécia Bórgia narra sua história, revelando a vida, costumes, crimes e intrigas na Europa do século XV, período em que a Igreja Católica estava corrompida e os papas mandavam nos reis.
Personagens fascinantes, como o próprio Nicolau Maquiavel, autor do clássico “O Príncipe”, circulam no meio de reis, príncipes, cortesãs, cardeais, artistas, num painel rico e extraordinário muito parecido com os dias atuais, quando governantes corruptos e poderosos também usam todos os meios para garantir seu poder, riqueza e privilégios.

1 comentário

Arquivado em Lançamentos, livros

Papisa Joana – Resenha do livro e Trailer do filme

O Paulo Rezzutti, do site e-Zone Online, publicou recentemente uma resenha bem interessante do livro Papisa Joana, de Donna Woolfolk Cross. A obra foi publicada neste ano no Brasil pela Geração Editorial.

Aproveite para ver ainda, abaixo da resenha, o trailer do filme inspirado na obra Papisa Joana, que chegará ao Brasil em dezembro deste ano.

Papisa Joana: Uma Mulher Papa?!?!

De Paulo Rezzutti

“Não vou ficar, como diversos jornalistas fizeram, dando como notícia o fato de ter existido uma mulher Papa. O fato de ter havido, segundo alguns parcos registros sobreviventes, uma mulher que teria ocupado o trono de São Pedro, é material de livros há anos, inclusive com versões em português. Vide A Papisa, de Peter Stanford, publicado pela Gryphus em 2000.

Porém, como diz a escritora Ruth Guimarães, todas as histórias já foram contadas, o importante é como recontá-las, e isso a escritora Donna Woolfolk Cross sabe fazer muito bem.

O livro Papisa Joana, publicado pela Geração Editorial, com tradução do escritor Paulo Schmidt, é uma excelente ficção histórica, que nada fica a dever às histórias do escritor britânico Bernard Cornwell, incluindo-se nessa comparação algumas cenas de batalha. Outra característica comum entre ambos está no profundo estudo feito para tornar o mais fiel possível a ambientação de suas narrativas, como a sociedade, hábitos e costumes da época em que a história se passa.

Se as mulheres hoje se queixam de ganharem menos do que os homens e ainda terem que cuidar da casa quando chegam do trabalho, acreditem, isso não é nada comparado com a situação delas na Alta Idade Média, quando eram consideradas pouco mais do que crianças sem direitos, apenas com deveres de servir ao seu homem e senhor, praticamente escravas.

No mais, a mulher não precisava ler nem escrever, mil anos antes de uma frase que ficou famosa no Brasil durante a virada do século passado: “Uma mulher só precisa saber ler e escrever o suficiente para fazer suas orações e anotar receitas de compotas”. Machismos à parte, que belo golpe deve ter sido para a Santa Madre Igreja ter descoberto que uma mulher estava fazendo o trabalho de um homem! O que, aliás, não era coisa tão inimaginável naquela época. As mulheres que se recusavam a ser tratadas como meros objetos e queriam mais, pois sentiam necessidade de estudar, de aprender, invariavelmente lançavam mão do recurso de se travestir de homens para conseguir seus objetivos. Algumas acabavam sendo descobertas, como no caso de Joana, que, grávida, teria parido no meio de uma procissão, em plena Via Sacra, em Roma (hoje Via de S. Giovanni). Outro caso é o de Eugênia de Alexandria: disfarçada de homem, chegou à posição de Abade em um monastério, identidade que abandonou ao mostrar o seu sexo como último recurso para refutar a acusação de ter deflorado uma virgem. Outras, porém, tiveram mais sorte, e acabaram seus dias como homens, sem que ninguém se apercebesse da fraude. Se Joana tivesse tido a mesma sorte destas, provavelmente nunca conheceríamos sua história.

O livro Papisa Joana foi transformado em filme, pela produtora Constantin Films, a mesma de O Nome da Rosa. O filme, com externas na Alemanha, na Bulgária e em Marrocos, estreia em outubro na Europa e chega em dezembro ao Brasil.”

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

3 Comentários

Arquivado em livros, Mídia