Arquivo da tag: Senel Paz

Morango e chocolate, o romance

Fonte: http://www.vermelho.org.br/pb/noticia.php?id_secao=11&id_noticia=185949

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Autor cubano reflete sobre a liberdade

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Fragmentos – Senel Paz: Notas para um perfil


A geração de Senel Paz viveu em Cuba os momentos mais críticos da Revolução. Mas vive esses momentos com olhos limpos. A soltura e a firmeza com que os temas especialmente espinhosos de vários (e muitas vezes penosos) períodos da Ilha são tratados acabam sendo uma característica dessa geração. Claro que houve antecedentes em que se apoiar: o trabalho de Alfredo Guevara à frente do ICAIC — o instituto de cinema, tradicional espaço de liberdade na cultura revolucionária de Cuba —, as ações de Silvio Rodríguez e Pablo Milanés, a teimosa persistência de vários grupos de teatro, e mesmo a ação de intelectuais que se mantiveram dentro de organismos oficiais para tentar romper, por dentro,
com as amarras castradoras de uma burocracia estéril, infecunda e esterilizante.

Este é o complexo e irrequieto panorama da cultura cubana ao longo dos muitos anos que sucederam o “quinquênio cor‑de‑cinza”, concretamente, a partir de 1977/1978. Este é o panorama que gerou obras como este livro e como o filme nascido dele.

Nesta primavera brasileira penso em Senel e em meus amigos da Ilha. Nesta altura do ano, lá é outono. Penso no que vi de Cuba ao longo dos últimos muitos anos, penso no que eles viveram. Sei que El lobo, el bosque y el hombre nuevo, ou seja, a história de Morango e chocolate, é uma forma clara de revelar a realidade. E é, através de Senel, algo mais que uma conquista dele: é uma conquista de todos aqueles que viveram, por dentro e de perto, um processo absolutamente rico e generoso — rico também de contradições e desencontros, como todo processo armado pela alma humana.

Acima de qualquer outra coisa, esta história é a visão e a voz de uma geração, de um país jovem e renovado. Uma história que é um canto à solidariedade, à tolerância, ao encontro. Durante muitos e muitos anos os cubanos aprenderam a defender a qualquer preço sua dignidade coletiva, sua integridade. Esta história mostra que aprenderam também, ao custo de muitos equívocos e muita dor, a compreender a necessidade
de se defender a dignidade individual, o direito de ser “o outro” de maneira singular, e não apenas plural. Um canto de amor aos Diegos desta vida, ao homem verdadeiramente novo: aquele capaz de generosidade, solidariedade, afeto e tolerância.

Eric Nepomuceno
Rio de Janeiro, primavera de 2012.

Sobre o livro:

Morango e Chocolate
Autor: Senel Paz
Gênero: Literatura Estrangeira
Formato: 15,6 x 23 cm.
Págs: 128
ISBN: 978-85-8130-036-8
Tradutor: Eric Nepomuceno
Preço: 24,90
Sinopse
Morango e chocolate ficou famoso na década de 90, quando transformou -se em filme de sucesso mundial, indicado para o Oscar. David, jovem revolucionário, conhece Diego, homossexual assumido, patriota e nacionalista. Surge então o dilema: o dever “patriótico” da denúncia ou a aceitação de uma amizade inesperada, que vai abrindo os olhos dos dois para outras concepções de vida e outros valores humanos, como o direito de ser plural e de manifestar -se livremente. A história, que transcorre numa Havana histórica e bela, é um canto à amizade e à tolerância, humanamente calorosa e cheia de espírito. Nesta e nas outras três histórias deste livro comovente, Senel Paz pega o leitor pelo coração, com seus personagens ora cômicos, ora líricos, daqueles que marcam para sempre as nossas vidas.


Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

1ª Bienal Brasil do Livro e da Leitura – Programação Geração Editorial

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Release: Morango e Chocolate – Senel Paz

Os personagens libertários de Morango e chocolate

Um é bom, quatro, melhor ainda. É o que se pode dizer de Morango e chocolate, livro de contos do cubano Senel Paz.  O conto que dá título à obra fez grande sucesso no cinema, na década de 90. Agora ele vem acompanhado de outros três de mesma qualidade. São histórias marcantes, personagens idem. Um garoto sensível que recebe a visita do pai pela primeira vez, tendo-o visto apenas em fotografia; a primeira noite de um casal com os nervos à flor da pele; o relacionamento proibido entre um revolucionário e um contrarrevolucionário homossexual (Morango e chocolate), e, por fim, um conto dentro de outro sobre pessoas que vivem na marginalidade, aplicando golpes para sobreviver.

Senel Paz está à frente do seu tempo e sabe que a vida é curta para esperar um regime paternalista abrir a cabeça totalmente. Por isso, seus personagens dizem o que pensam agora, agem como devem agir agora. E fazem isso sem criar provocações ostensivas, de uma maneira natural.

Os quatro contos têm o dom de grudar facilmente em nossas mentes, pois o escritor ora nos caça pela emoção, ora pelo riso, pelas próprias fraquezas humanas. E isso não é simples num mundo de informações altamente deletáveis. Fixar-se no coração ou na mente das pessoas é o sonho de qualquer artista, incluindo os grandes escritores. Depois de ler esta obra, fica fácil lembrar-se de cada uma das histórias e recontá-las aos amigos.

Tudo é fruto de muito inconformismo. A geração de Senel Paz viveu os momentos mais críticos da revolução cubana. Por isso, esses contos traduzem a visão e a voz de uma geração que luta por um país renovado e mais aberto. Ao se referir especificamente à Morango e chocolate, o tradutor Eric Nepomuceno diz que os cubanos, “ao custo de muitos equívocos e muita dor, começam a compreender a necessidade de se defender a dignidade individual, o direito de ser o outro de maneira singular e não apenas plural”.  O próprio papa Bento 16, ao visitar Cuba no dia 27 de março deste 2012, defendeu uma “sociedade renovada, aberta e digna”. E isso sem falar dos que estão presos por defender outro ideal político.

A vida coletiva não pode se sobrepor às peculiaridades humanas. É nesta direção que caminha Senel Paz, abrindo brechas sensitivas para rebater o totalitarismo político. A vida é o grande partido. O Partidão ao qual devemos nos filiar hoje e sempre.

SOBRE O AUTOR:

SENEL PAZ nasceu em Cuba, em 1950. Cresceu no campo, numa família de camponeses semianalfabetos, mas pôde educar -se graças à revolução. Foi o primeiro membro da família que conseguiu terminar o ensino fundamental. Escritor e roteirista de cinema, é autor de contos, romances e peças teatrais traduzidos para 11 idiomas e publicados em 20 países. É também professor de dramaturgia e roteiro cinematográfico, dentro e fora de Cuba. Morango e Chocolate, além de fi lmado, teve 19 versões teatrais.
_____________________________________________________________________________________________________

Morango e Chocolate
Autor: Senel Paz
Formato: 15,6×23
Páginas: 128
Categoria: Literatura Estrangeira
ISBN: 978-85-81300-36-8
Cód. de Barras: 978-85-81300-36-8
Peso: 270g
Sinopse:
Morango e chocolate ficou famoso na década de 90, quando transformou -se em filme de sucesso mundial, indicado para o Oscar. David, jovem revolucionário, conhece Diego, homossexual assumido, patriota e nacionalista. Surge então o dilema: o dever “patriótico” da denúncia ou a aceitação de uma amizade inesperada, que vai abrindo os olhos dos dois para outras concepções de vida e outros valores humanos, como o direito de ser plural e de manifestar -se livremente. A história, que transcorre numa Havana histórica e bela, é um canto à amizade e à tolerância, humanamente calorosa e cheia de espírito. Nesta e nas outras três histórias deste livro comovente, Senel Paz pega o leitor pelo coração, com seus personagens ora cômicos, ora líricos, daqueles que marcam para sempre as nossas vidas.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized