Arquivo da tag: Wole Soyinka

Um contato com a África, essa estranha


Fonte: Gazeta do Povo

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

A África no palco


Fonte: http://www.gaz.com.br/gazetadosul/noticia/353412-a_africa_no_palco/edicao:2012-06-23.html

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

No Publishnews – Ruptura de tradições

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

No Estadão: Livro do Nobel de Literatura Wole Soyinka chega ao Brasil


Fonte: http://blogs.estadao.com.br/radar-cultural/livro-do-nobel-de-literatura-wole-soyinka-chega-ao-brasil/

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

1ª Bienal Brasil do Livro e da Leitura – Programação Geração Editorial

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Release: O leão e a joia – Wole Soyinka

BELA, A FERA E O PROGRESSO

O Leão e a Joia é uma fábula contemporânea que tem como cenário a pequena aldeia de Ilujinle, no país iorubá, onde a bela Sidi, a joia, é assediada por um jovem professor primário, Lakunle, treinado nos saberes ocidentais, disposto a erradicar a tradição em nome de uma europeização dos costumes, e por Baroka, o bale da aldeia, chefe tradicional e poderoso, que   pretende, através do casamento com a jovem, manter o seu prestígio e poder, bem como perenizar a sua linhagem de leão da mata.

O autor explora com fino humor as situações de conflito, dentro das referências da cultura aldeã iorubá. O jovem professor modernizador tenta convencer sua amada das vantagens da ruptura com a tradição, ao passo que o velho Baroka, aos 62 anos, joga toda uma sabedoria ancestral para seduzir Sidi. Ele mesmo faz circular a falsa notícia de sua impotência sexual para depois convencer sua pretendida que o casamento com ela era uma prova para toda a aldeia da virilidade do velho leão, condição fundamental para a manutenção do seu poder e da continuidade da cultura tradicional.

Esta peça pode ser lida como uma busca de alternativas para as sociedades africanas no pós-colonialismo. A mera substituição de brancos por negros nas mesmas estruturas de poder colonial fracassou. A simples manutenção das culturas tradicionais não responde mais aos desafios da África contemporânea.

A escolha de Sidi pode ser a saída para a incorporação de novos personagens sociais (a mulher, por exemplo) em processos de modernização que respeitem as identidades tradicionais. Talvez este seja o verdadeiro sentido do “renascimento africano”.

O Leão e a Joia marca a estreia de Wole Soyinka no mercado editorial brasileiro; coube à Geração o privilégio de publicar este Prêmio Nobel de Literatura pela primeira vez no Brasil, país tão influenciado pela cultura africana. Este precioso volume é ainda valorizado pelo prefácio de um dos maiores especialistas em cultura afro-brasileira, o dr. Ubiratan Castro de Araújo, professor na UFBA e diretor da Fundação Pedro Calmon.

SOBRE O AUTOR

Wole Soyinka nasceu em 13 de julho de 1934 em Abeokuta, próximo a Ibadan, no oeste da Nigéria. É autor de peças teatrais, romances e poemas, cuja qualidade lhe valeu o Nobel de Literatura em 1986: o primeiro africano a receber esse prêmio. Crítico incansável das ditaduras militares da Nigéria, teve de fugir algumas vezes do seu país; desde 1994, tem residido quase que exclusivamente nos Estados Unidos. Até hoje, continua a escrever e a criticar veementemente a corrupção e a opressão em cada canto de sua idolatrada África.

_____________________________________________________________________________________________________

O Leão e a Joia
Autor:
Wole Soyinka
Gênero: Teatro
Formato: 15,6 x 23 cm.
Págs: 152 + cad. de fotos (16 págs.)
ISBN: 978-85-8130-059-7
Tradutor: William Lagos
Sinopse
:

TRIÂNGULO AMOROSO À AFRICANA

No pequeno povoado de Ilujinle, Baroka, o sexagenário chefe da aldeia, conhecido como “o Leão”, e Lakunle, o jovem professor de ideias  avançadas e ocidentais, disputam o amor de Sidi, a Joia do vilarejo. Pequena obra-prima do Prêmio Nobel de Literatura de 1986, O Leão e a Joia é uma fábula divertida e irreverente sobre os confl itos entre valores africanos e costumes europeus, entre o desejo das mulheres de serem livres e o seu apego a tradições que as desvalorizam, entre o progresso e o conservadorismo.

5 Comentários

Arquivado em Uncategorized