Arquivo da tag: mulheres

Release: As Equilibristas – Bruna Gasgon

TODOS PRECISAM SABER O QUE É SER EQUILIBRISTA

Foi-se o tempo em que a mulher era somente dona de casa e suas preocupações limitavam-se a cuidar do marido, dos filhos, das refeições e da arrumação da casa. Essas tarefas tradicionalmente femininas, que tanto exigem em termos de energia e tempo, nunca foram e ainda hoje não são reconhecidas nem valorizadas. Pelo contrário.

Demorou muito, mas a partir dos anos 80 a mulher desejou trabalhar fora, desejou cargos melhores, desejou salários mais altos, desejou ser competitiva e ter os mesmos direitos profissionais, salariais, sexuais e caseiros que os homens. Esse maravilhoso desejo juntou-se às tarefas domésticas, ao casamento, aos cuidados com os filhos, com o marido, com a aparência, e então surgiu a chamada Tripla Jornada feminina. Com ela iniciaram-se também os conflitos conjugais e familiares, pois nem sempre a mulher estava à espera do marido em casa com o jantar na mesa ou com a libido em alta, e nem sempre os filhos recebiam a atenção que queriam e precisavam. Isso gerou na mulher uma angustiante sensação de estar devendo alguma coisa, de não estar cumprindo seu “papel” e nem fazendo o que se espera dela.

As equilibristas tem como objetivos principais livrar as mulheres desse fardo e fazer uma homenagem às que vivem se equilibrando em várias jornadas. Com uma abordagem moderníssima e picante, este livro desvenda também o mistério da prisão de ventre da mulher.

SOBRE A AUTORA:

Bruna Gasgon é consultora em comunicação, palestrante, publicitária, atriz, diretora de teatro e tem vários trabalhos teatrais e empresariais especialmente direcionados ao público feminino. As Equilibristas é um dos cinco livros da Coleção Mulheres no Comando, os quais escreveu a partir de sua observação e estudos sobre o comportamento da mulher ao longo do século XX até os dias de hoje. Ela tem tratado desse tema sempre com um olhar crítico, bem humorado e polêmico, propondo discussões definitivas sobre assuntos tabus que envolvem a mulher.

_____________________________________________________________________________________________________

As equilibristas
Autora: Bruna Gasgon
Formato: 13,5×20,5
Categoria: Desenvolvimento Pessoal
Páginas: 168
ISBN: 978-85- 63420-14-5
Cód. de Barras: 978-85- 63420-14-5
Peso: 220g
Sinopse:
É IMPOSSÍVEL SE EQUILIBRAR O TEMPO TODO
Casar, ter filhos e trabalhar fora é uma escolha da mulher, a chamada Tripla Jornada. Ela exige muito esforço, dedicação, organização, altruísmo, generosidade, paciência, disposição física e energia.
No entanto, é impossível ser uma excelente dona de casa, esposa dedicada, amante esfuziante, mãe exemplar, profissional brilhante, ótima aluna e ainda ter uma aparência jovem, descansada e bem cuidada. Nem sempre a mulher está disposta a fazer sexo com o marido quando chega cansada do trabalho, nem sempre pode ficar com o filho doente, a casa nem sempre está arrumada e nem o jantar pronto na hora em que a família quer comer.
Coisas assim são normais, porém inúmeras mulheres não se perdoam por elas, e os homens menos ainda. Chega disso! Perfeição não existe e o mundo, que ainda é muito masculino, precisa parar de ser tão exigente com as mulheres. Mas sobretudo você, Mulher Equilibrista, precisa parar de se cobrar tanto e jogar fora as correntes que a impedem de caminhar tranquila sobre a corda bamba

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Palestra: A bela adormecida acordou

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

08/03 – Dia Internacional da Mulher

As obras da Geração são fortemente marcadas pela presença de mulheres que marcaram a história da humanidade. E aproveitamos o ‘dia internacional da mulher’ para homenagear todas as mulheres e a constante luta por dignidade e igualdade social.
Diversas mulheres, anônimas ou personalidades, foram capazes de reverter o estereótipo “sexo frágil’ e se tornaram peças fundamentais para escrever a história. Conheça um pouco do muito que as mulheres da Geração Editorial tem para mostrar:

Veneno nas veias
Autor:
M. G. Scarsbrook
Sinopse:
Ela se tornou uma lenda por sua beleza, sua sexualidade e seus crimes, nos quais utilizava fulminantes poções venenosas. Mas quem foi, de fato, Lucrécia, a filha do Papa Alexandre VI, o patriarca da corrupta e violenta família Bórgia, que na modernidade já rendeu romances, filmes e minisséries de TV?
Neste romance histórico eletrizante, a própria Lucrécia Bórgia narra sua história, revelando a vida, costumes, crimes e intrigas na Europa do século XV, período em que a Igreja Católica estava corrompida e os papas mandavam nos reis. Personagens fascinantes, como o próprio Nicolau Maquiavel, autor do clássico “O Príncipe”, circulam no meio de reis, príncipes, cortesãs, cardeais, artistas, num painel rico e extraordinário muito parecido com os dias atuais, quando governantes corruptos e poderosos também usam todos os meios para garantir seu poder, riqueza e privilégios.

Mulheres de Cabul
Autora: Harriet Logan – Reportagem
Sinopse: Mulheres de Cabul, da polêmica e premiada fotógrafa inglesa Harriet Logan, revela os sonhos e os sofrimentos das fortes mulheres do Afeganistão durante o regime de terror do Taleban e depois dele. Reportagem viva e emocionante, Mulheres de Cabul supera qualquer ficção. De maneira mais realista e crua, sem deixar de possuir beleza, ele amplia o universo afegão mostrado em O caçador de pipas, de Khaled Hosseini, e em O livreiro de Cabul, de Asne Seierstad. Com uma vantagem adicional: traz dezenas de belíssimas fotos. É um livro impressionante sobre um mundo tão absurdo que parece pesadelo. Entre outras proibições, as mulheres não podiam trabalhar fora nem freqüentar escolas. Era proibido rir em público, ouvir música, empinar pipas, e fotografias eram consideradas formas de idolatria.

Papisa Joana
Autor: Donna Woolfolk Cross – Romance Histórico
Sinopse: No ano de 814, Idade Média, que ficou conhecida como a Idade das Trevas, as mulheres eram impedidas de estudar, podiam ser estupradas e até mortas pelos maridos. O conhecimento estava sufocado, os países hoje conhecidos na Europa não existiam, nem os idiomas modernos. Cada região tinha o seu dialeto e a lingua culta era o latim, herdada do Império Romano, que já havia sido derrubado pelas invasões bárbaras. Foi neste período sombrio que uma mulher passou a maior parte de sua vida vestida de homem, estudou medicina, foi médica do papa e tornou-se ela mesma papisa – durante dois anos. A história da Papisa Joana foi conhecida até o século XVII, quando o Vaticano resolveu apagá-la da história da Igreja. Não adiantou. Dona Woolfolk Cross pesquisou, descobriu os arquivos e achou a história tão fascinante que a transformou num romance, em que aventura, sexo e poder cruzam-se com maldições, guerras e heresias. O livro foi transformado num grande filme que estréia até o final do ano no Brasil.

A Escolha de Sofia

Autor: William Styron – Romance
Sinopse: UM DOS MELHORES E MAIS POLÊMICOS ROMANCES DO SÉCULO XX Com três milhões de exemplares vendidos, 47 semanas nas listas de best-sellers do Times e vencedor do National Book Award de 1980, A escolha de Sofia mostra, em sua patética grandeza, com perfeito domínio do tempo na narrativa e um texto denso e envolvente, o drama de uma mulher corroída pela culpa, que nenhuma felicidade consegue desviar do puro e simples aniquilamento, e para quem a única possibilidade de vida é uma ligação alucinante e destrutiva. Para além das cercas eletrificadas e das câmaras de gás, o campo de concentração de Auschwitz continuava a fazer vítimas. A escolha de Sofia com roteiro, produção e direção de Alan J. Pakula, teve versão cinematográfica de grande êxito: eleito melhor filme de 1983 pela Associação de Críticos de Nova York e Los Angeles e ganhador do Globo de Ouro da Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood, deu à atriz Meryl Streep o segundo Oscar de sua carreira.

A Massai branca – Meu caso de amor com um guerreiro africano
Autor: Corinne Hofmann – Auto-Biografia
Sinopse: Em A massai branca – meu caso de amor com um guerreiro africano, lançado pela Geração Editorial-Ediouro, a suíça Corinne Hoffmann conta sua história de amor sem fronteiras com o guerreiro massai Lketinga. Em férias no Quênia, ela estava acompanhada do então namorado e tinha 26 anos quando viu Lketinga. Foi uma paixão à primeira vista. Depois largou tudo para viver com seu novo e exótico amor. Narrado de maneira graciosa e bem-humorada, o livro traz uma lição de vida que virou filme de sucesso e fascinou 4 milhões de leitores em 19 idiomas e 24 países. Uma leitora escreveu o seguinte na Internet: “Você acha que já fez muitas loucuras na vida? Já amou à primeira vista e quase morreu com o coração pulando na boca e largou tudo e todos para viver esse amor? Virou a mesa e mudou o rumo da sua vida, numa atitude passional? Todos nós temos histórias para contar – mas nada se compara com a de Corinne Hoffmann. Ela se apaixona por um guerreiro africano e vai viver com ele. São dois seres tão diferentes que tudo vai mais além do que simplesmente se casar com um cara diferente. Um livro lindo, uma história real e por isso mesmo mais do que fascinante!”. O casal teve uma filha.

Coleção: Memórias de Cleópatra
Autora:
Margaret George – Romance
Sinopse: A história de poder, paixão e glória: a tragédia da rainha do Egito, Cleópatra, que se tornou amante de Júlio César e de Marco Antônio e viveu um dos mais apaixonantes dramas da História Antiga. Num ritmo alucinante, a autora revive cenários e personagens nas cidades de Roma e Alexandria, prendendo o leitor do início ao fim. A coleção é dividida em 3 volumes: A filha de Ísis, Sob o signo de Afrodite e O beijo da Serpente.

Maria Madalena
Autor:
Margaret George – Romance
Sinopse: A história de Maria Madalena, a mulher que amou Jesus e tornou-se a mais tocante companheira dos discípulos do mestre. Mas quem teria sido de fato esta mulher? Uma prostituta? Uma divindade feminina? Uma liderança da Igreja? Ou tudo isso? Embora as referências bíblicas a Maria Madalena sejam surpreendentemente poucas, ela continua provocando controvérsia, curiosidade e veneração. Conhece-se mais sobre ela do que sobre a maioria dos discípulos de Cristo e até hoje ela é reverenciada como a “Apóstola dos Apóstolos”. Margaret George, notável por suas brilhantes pesquisas históricas e sua criatividade, recria com vigor a história de Madalena e sua época, nos primeiros anos do primeiro milênio cristão. Ela começa com a infância e adolescência de uma menina comum, seus sonhos, suas visões, seu erotismo, seu encontro com Jesus — um dos maiores personagens do livro, também recriado magistralmente — e termina, de forma dramática, com a descrição de uma impressionante transformação espiritual.

A Marquesa de Santos
Autor: Paulo Setúbal
Sinopse:  Romance histórico conta em detalhes a trajetória de uma das mulheres mais intrigantes e célebres da História do Brasil. A aristocrata paulista Domitila de Castro Canto e Melo, a Marquesa de Santos, foi a amante e grande paixão de D.Pedro I, o primeiro Imperador do País. E mais: como escreve o autor do livro, “a única mulher, na História das Américas, que encheu um Império com o ruído do seu nome e o escândalo do seu amor”.  O papel de coadjuvante, geralmente destinado às mulheres dos estadistas, Domitila de Castro deixou para a Imperatriz Leopoldina, única pessoa de toda a Corte a não saber do relacionamento entre o Imperador e a bela paulista. Com incrível capacidade de fazer o Monarca ceder a todos os seus caprichos, a Marquesa tomou para si a condição de protagonista, exercendo forte influência na política do Primeiro Reinado.

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

Carnaval 2012: Vai-Vai homenageará as mulheres brasileiras

A escola de samba Vai-Vai, campeã do carnaval de 2011, aposta no universo feminino e no apoio que as mulheres deram para a evolução do Brasil para conquistar o bicampeonato com o enredo Mulheres que Brilham – a força feminina no progresso social e cultural do país.

O desfile promete resgatar personalidades de diversas classes sociais e que marcaram o país e mostrar como elas foram vistas em diferentes momentos históricos, desde a Idade da Pedra até os dias atuais. Para retratar esse universo tão amplo, as alegorias irão destacar diferentes perfis e características das mulheres homenageadas, como as políticas, as guerreiras, as artistas e as mulheres comuns.

Além das mulheres comuns, ícones da história e diversas personalidades serão representadas: Tarsila do Amaral, Princesa Isabel, Maria Quitéria, Xica da Silva, Zélia Gatai, Elis Regina, Clarice Lispector, Zilda Arns, Paraguaçu, Dilma Roussef, Lígia Fagundes Telles, Chiquinha Gonzaga, entre outras.

Dentre as várias homenagens vale destacar a Imperatriz Leopoldina, mulher de Dom Pedro I, e a Marquesa de Santos, a famosa amante do monarca. Em entrevista ao Portal Terra o carnavalesco Alexandre Louzada afirma que as performances das alas são as que ele mais espera. “Haverá uma dança entre a Princesa Leopoldina e a Marquesa de Santos, que influenciaram a proclamação da independência. Será uma encenação que retratará com sutileza a rivalidade entre elas. O público vai se surpreender”.

Fundada em 1930, a escola foi campeã 14 vezes do carnaval paulista. Em 2011, conquistou o último título com o enredo “A Música Venceu”. Neste ano, a escola desfila com 31 alas, cinco carros alegóricos e 4mil componentes.

Conheça um pouco mais da história de Domitila de Castro, popularmente conhecida como marquesa de Santos

Titília e o Demonão:

Amor e paixão na maior descoberta de documentos da história do Brasil

Cartas do Imperador Dom Pedro I para a Marquesa de Santos que se imaginavam desaparecidas foram encontradas, quase dois séculos depois, pelo autor, num arquivo dos Estados Unidos, e revelam aspectos insuspeitados da vida sexual e política na corte imperial. Este livro vai ser um acontecimento na pesquisa histórica nacional. Transcritos e comentados com erudição ímpar, esses documentos profundamente humanos e de alto valor histórico nos mostram um jovem monarca impetuoso e apaixonado, bem humorado, que escreve coisas libidinosas à amante, tenta acalmar as crises de ciúme dela e tem também seus acessos emocionais. O livro revela um rico painel da vida cotidiana e política e dos costumes do Brasil durante o Primeiro Reinado.

O lirismo não está ausente nessas confissões tão íntimas:

Ontem mesmo fiz amor de matrimônio para que hoje, se mecê estiver melhor e com disposição, fazer o nosso amor por devoção. (carta 9)

Quase todas as cartas são assinadas pelo “fiel, desvelado, constante e agradecido amante”, mas o vocativo e a assinatura variam conforme a temperatura da paixão. Quando esta se encontra no auge, ela é “Titília” e “Meu amor”, ele é “O Demonão” ou “Fogo Foguinho”; à medida que vai esfriando, ele passa a ser “O Imperador” e “Pedro”, enquanto ela se torna “Filha” e “Querida Marquesa”.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized